segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Tigres correm risco de extinção em breve, alertam especialistas



Os tigres podem se extinguir em todo o mundo dentro de duas décadas, a não ser que sejam intensificados os esforços de conservação para frear o declínio de sua população, alertam especialistas. Estima-se que hoje existam apenas 3.500 tigres vivendo livres em 12 países asiáticos e na Rússia, contra cerca de 100 mil há um século. Os tigres vêm sendo caçados ilegalmente para a extração de partes de seus corpos e a Ásia está ao centro desse comércio ilegal de animais selvagens que a Interpol tenta combater e que, segundo estimativas, movimente mais de 20 bilhões de dólares por ano. As peles dos tigres são vendidas no mercado negro para servir de tapetes ou capas. Em países como a China, uma pele de tigre pode valer até 20 mil dólares no mercado negro. Ainda há tigres vivendo em liberdade em Bangladesh, Butão, Camboja, China, Índia, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Nepal, Rússia, Tailândia e Vietnã. John Seidensticker, cientista chefe do Centro de Ecologia da Conservação do Zoológico Nacional Smithsonian, disse que o habitat dos tigres foi reduzido em 40 por cento na última década, devido à destruição das florestas. O diretor de programas do Fundo Salvar os Tigres, de Washington, Mahendra Shrestha, falando durante uma conferência sobre a conservação de tigres, afirmou que ações policiais, patrulhamento constante em áreas de reserva para combater a caça ilegal e a preservação dos habitats ainda remanescentes podem melhorar a situação.
Fonte: Com informações da Reuters.

Mãos Amigas...

VIAGEM PELO INTERIOR DO CORPO 4


CÉLULAS DOS CABELOS DE UMA ORELHA

Ponto Extremo do Sul do Brasil: Arroio Chuí



-Ponto mais ao sul do Brasil;
-Fica na fronteira do Brasil com o Uruguai;
-É um curso de água no extremo sul do Brasil, no Estado do Rio Grande do Sul;
-Fica no distrito de Santa Vitória do Palmar, com cerca de 14 Km de praia.

Fonte: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Popa.com.br; Chuí
Maria Célia Amorim

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Dengue...Com a chegada do Verão precisamos ficar atentos



Tudo começa com o mosquito, ou melhor, tudo começa com a água parada, tanto faz... Pois é, a dengue é uma doença, entre as 10 mais mortais da História do Planeta, sendo endêmica no Brasil, com surtos epidêmicos em alguns estados. Ela é causada por um Arbovírus do gênero Flavivírus, partículas de 40 a 60 nm, envelopados de simetria icosaedral, com RNA de fita simples de aproximadamente 10 Kb, constituído por 4 espécies ou sorotipos, sendo 1, 2, 3 e 4, transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti e Aedes albopicus, sendo que no Brasil apenas o primeiro aparece como transmissor. É uma doença transmitida ao homem (hospedeiro) pela picada da fêmea do Aedes contaminada, que também é o vetor do vírus e que o macho só se alimenta da seiva das plantas e é inofensivo. Hoje é considerada a arbovirose mais comum que atinge o homem. A primeira vez que se tem registro do aparecimento da dengue no planeta foi em 1927/1928, nas Índias Ocidentais Espanholas. Chegou ao continente americano no final do século XVIII junto com a colonização. Pode-se dizer que atualmente cerca de 100 países apresentam o risco da doença. A OMS estima que surjam de 50 a 100 milhões de casos todos os anos no mundo, o que resulta em 500.000 internações e 20.000 óbitos. As primeiras referências de dengue no Brasil datam de 1865, na cidade de Recife, em Pernambuco; 7 anos depois aparece em Salvador, na Bahia, uma epidemia que fez 2.000 vítimas. Ocorre desde então surtos epidêmicos em vários estados. Em 1981, ocorre a primeira epidemia de dengue em Roraima. Em 1986 no Rio de Janeiro com mais de 50.000 casos para o vírus 1. Em 1990, aconteceu a introdução do vírus 2 no Rio de Janeiro. Em 1998, ocorre uma epidemia com mais de 500.000 casos no país. Em 2000, o vírus 3 foi isolado no Rio de Janeiro e ocorreu nova epidemia, entre 2001 e 2003. Em 2008, ocorre outra epidemia, desta vez, só nos meses de Janeiro e Fevereiro foram notificados 120.570 casos, sendo 647 de febre hemorrágica de dengue, que causou 48 óbitos. O homem só desenvolve imunidade permanente para o tipo de vírus que contraiu, não para todos. Ou seja, a pessoa que contraiu um tipo de dengue qualquer, pode ter a hemorrágica, muito mais perigosa, mesmo tendo tido dengue anteriormente. Após a picada do mosquito, ocorre o período de incubação que pode levar de 3 a 15 dias, o vírus espalha-se pelo sangue causando a viremia. Esta doença começa com febre alta (entre 38° e 40° C), mal estar geral, muito cansaço, dores de cabeça, dores nos olhos, nos músculos e nas articulações, acompanhado de uma erupção papulosa pelo corpo, além de vômitos, diarréia e anorexia. Em muitos casos, o fígado está aumentado de volume (hepatomegalia) e é doloroso à palpação. Depois de 5 a 7 dias, a febre baixa e os sintomas diminuem, restando a fadiga e/ou depressão. A forma hemorrágica pode ser muito grave ou mesmo fatal. Neste caso, após a febre baixar, pode haver sangramentos tanto pela gengiva quanto pelo nariz, hemorragias internas e coagulação intravascular disseminada com danos e enfartes de alguns órgãos. Pode ocorrer por vezes, choque mortal devido às hemorragias. Ocorre petéquias, que são manchas vermelhas na pele e dores agudas nas costas. A febre sempre será o principal sintoma. No Brasil, a dengue é uma doença de notificação obrigatória às autoridades sanitárias. Esta é uma doença que exige rápido atendimento médico, pois se ocorrerem vômitos ou mesmo diarréias fortes, há perda de líquido e é necessário a reposição com urgência de água e de sais minerais para evitar a desidratação. Além de ser recomendado o repouso e alguns medicamentos de indicação médica, para baixar a febre. Não deve-se fazer automedicação. O diagnóstico da dengue é feito clinicamente e por exames laboratoriais, como hemogramas, sorologia e hepatograma. A definição da OMS para a febre hemorrágica da dengue tem sido usada desde 1975 e todos os 4 critérios devem ser preenchidos:
1-Febre;
2-Tendência hemorrágica, com o teste do torniquete (positivo), contusões espontâneas, sangramento da mucosa, vômito de sangue ou diarréia sanguinolenta;
3-Trombocitopenia, que é a diminuição no número de plaquetas (menor que 100.000 plaquetas/mm³, sendo o normal acima de 150.000);
4-Hematócrito maior de 20% do que o esperado.
Ainda não há vacina para a dengue. Como prevenção, devemos fazer o controle do mosquito vetor, que é feito basicamente na fase larvar deste, procura de focos. Como o Aedes coloca seus ovos em água parada, é preciso ficar atento para que a água não se acumule em possíveis criadouros como pneus abandonados, pratinhos de vasos de plantas, latas, garrafas e tantos outros. Além disso é necessário observar os reservatórios de água, como cisternas ou caixas de água, mantendo-os tampados. Pode-se combater o mosquito com larvicidas ou inseticidas para os adultos; o uso de janelas teladas e repelentes também é recomendado. A saúde da população depende da ação de todos, da observação em não deixar aparecerem criadouros novos, do acúmulo de lixo com objetos que possam a vir a ser possíveis pocinhas de água. Conhecendo e aplicando seus conhecimentos. Essa doença não acontece só com o vizinho, o mosquito pode trazer de lá para a sua casa...

Fontes: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Geografia do Brasil. Aspectos físicos, econômicos e sociais, Ed. Moderna; Procedimentos para a Manipulação de Microorganismos Patogênicos e/ou Recombinantes na FioCruz, Ed. FioCruz; A Vida na Terra, Fernando Gewandsznajder, Ed. Ática; combateadengue.com.br; saúde.gov.br

Maria Celia Amorim

Redução de CO2

Marismas



O que é isso? Você já ouviu falar? Pois então, são ecossistemas de grande importância para a biologia, para a vida na Terra. São locais úmidos formados por plantas herbáceas, diferentemente dos pântanos, onde o acúmulo de água e de ricos sedimentos acaba por permitir o nascimento de muitas vidas. Ele é muito importante para a vida selvagem. Aí vivem microorganismos, pequenos invertebrados, anfíbios, peixes, mamíferos, répteis e principalmente aves. Também aparecem nesse habitat, as algas planctônicas, os juncos, as espadárias e os caniços-de-água. As marismas aparecem em água doce ou no mar, mas normalmente estão presentes em água salobra. Podemos dizer que as marismas costeiras estão associadas a estuários e então se situam em solos com fundos arenosos.
As marismas são de interesse biológico por serem criadouros de vida e é necessário a conservação dessas planícies inundadas, pois eles são sensíveis a poluição, a contaminação, a erosão, a seca, ao aquecimento global e tantas outras ameaças. Podemos exemplificar a marisma de água doce da Flórida, nos Estados Unidos, que se caracteriza pela falta de relevo e por sua alteração profunda que sofrem nas estações do ano e também a marisma de Guadalquivir, que é banhada pelo Oceano Atlântico, no Parque Natural (desde 1989) e Nacional (desde de 1994) d Domana. É banhada pelo rio Guadalquivir que nasce em Pozo Álcon, Serra de Cazorla, com comprimento de 657 Km, onde só é navegável desde o mar até Sevilha, na Espanha.

Fonte: Ciência da Terra e do Universo. Da Geologia à Exploração do Espaço, Ed. Moderna; Geografia do Brasil. Aspectos físicos, sociais e econômicos, Ed. Moderna.

Maria Celia Amorim

VIAGEM PELO INTERIOR DO CORPO 3



NEURÔNIOS

Recordes Brasileiros: Menor Anfíbio mais Venenoso



-Dendrobates tinctorius;
-Anuro venenoso que possui uma pele de cor azul metálica com manchas negras alertando para o perigo, essas cores advertem seus predadores para seu veneno neurotóxico localizado na pele e que os índios utilizam para envenenar as flechas;
-Os adultos atingem de 4 a 5 centímetros de comprimento;
-São sempre encontrados em grupo;
-São arborícolas;
-Vivem em locais pouco iluminados, quentes com alta umidade relativa do ar em florestas tropicais;
-Da região norte do Brasil.

Fonte: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Animais da Terra: dos pólos ao Equador, Seleções do Reader's Digest.

Maria Célia Amorim

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

PERÍCIA CRIMINAL - MÓDULO 9

Dando continuidade ao que já foi falado anteriormente sobre a importância do isolamento e preservação do local de crime (tem matéria no blog sobre isso), sobre as inovações introduzidas no campo pericial pela Lei 11.690, façamos alguns comentários sobre a responsabilidade dos peritos, que surgiu com a vigência da Lei 8862/94, de que eles devem registrar em seus respectivos laudos toda e qualquer informação referente ao fato se o local de crime se encontrava preservado ou adulterado. Esse registro deve se restringir a uma questão meramente técnica, pois é assim que determina a lei e é isso que norteia o pensamento técnico-científico do perito. É importante frisar que depois de fazer isso, o perito tem que mencionar quais são as consequências dessas alterações na dinâmica dos fatos, sendo essa questão uma determinação legal. Porque é necessário bater nessa questão ? A resposta é bem simples. Se o perito não fizer isso e naqueles casos em que ficar configurado que houve realmente dano a uma das partes, o promotor de justiça, o juiz e a parte interessada questionarem essas lacunas no laudo, o perito vai assumir a responsabilidade e os possíveis erros de uma perícia. E, outro detalhe é que não poderá colocar essa questão da falta de isolamento e preservação dos vestígios de forma complementar para explicar o eventual prejuízo que ocorreu na sua análise, pois tal observação já deveria estar constando no laudo. É necessário que o perito esteja atento a alguns pontos durante o exame de PERINECROSCOPIA (estudo do local onde aconteceu a morte. Este local deverá ser analisado e pesquisado por Peritos em criminalística) sendo colocados no laudo:
- Responsável pelo isolamento e preservação do local;
- Circulação de pessoas na área imediata do evento;
- Manipulação ou retirada de instrumentos e objetos da cena do crime, previamente aos exames periciais;
- Condições de isolamento da área imediata;
- Presença da autoridade policial ou de seus representantes;
- Relevantes elementos que tenham inviabilizado a discussão dos elementos de valor criminalístico e a determinação da dinâmica do evento;
- Motivos para não realização de exames papiloscópicos;
- Remoção de vestígios (limpeza / lavagem);
- Retirada de pertences do cadáver, previamente aos exames periciais.

A descrição precisa de um local onde ocorreu um crime é de suma importância em um laudo pericial. Dentre os diversos motivos para descrição do local podemos destacar que permite a quem estiver analisando ter uma noção do ambiente em que se desenvolveu a ação criminosa. A apresentação minuciosa do local se torna vital quando existe a solicitação de uma reprodução simulada, onde os peritos precisam recriar as condições do fato (dentre eles o ambiente) e ter em mente que o local pode sofrer alterações com o passar do tempo em relação ao mobiliário e a própria construção. Uma orientação importante é que o perito faça uma descrição da área mediata (mais afastada) e em seguida a área imediata ( mais próxima). Nesse momento, essa descrição não precisa conter elementos de valor criminalístico, que serão descritos em capítulos próprios e posteriores. É preciso levar em consideração que os crimes ocorrem nos locais mais variados (interior de residências, imóveis comerciais, ruas, terrenos baldios, orlas marítimas, lagunares, matas, etc). Cada local deve ser visto como um local diferente, onde o perito vai se deparar com situações ainda não vividas, independentemente da experiência própria de cada profissional e deve da maneira mais clara e técnica possível apresentar em seu laudo, detalhes que perpetuem desta forma o local do crime. A orientação inicial para realizar o exame no local é para que o Perito efetue uma breve inspeção em todo o local, delimitando a área mediata e imediata. O levantamento do local deve ser o mais abrangente possível, mas deve-se evitar longas narrativas. Outros vestígios encontrados no local devem ser assinalados em capítulo próprio. A inserção de fotografias e croquis num laudo facilita a compreensão e reduz a parte descritiva. Os locais podem ser classificados como áreas abertas e áreas fechadas. Os locais abertos são as áreas compreendidas em logradouros, vias públicas, terrenos baldios, montanhas, interior de matas, jardins, parques, praias, praças, entre outros. Na descrição de locais abertos, os seguintes itens mínimos deverão ser consignados:
- Endereço (nome da via e bairro em que se situa o local da ocorrência) ou o trecho em que ocorreu o fato (em frente a qual número da via, quilômetro ou outra referência qualquer) ou vias públicas adjacentes ao local;
- Descrever possíveis meios de acesso ao interior do local e a presença de muros ou cercas;
- Citar os tipos de construção (alvenaria, sapê, ripas, etc);
- Citar a natureza do imóvel (residenciais, comerciais, industriais ou mistos);
- Citar a natureza da via (residencial, comercial, industrial ou mista) (mão única, dupla, etc.), largura do trecho e sentido do tráfego;
- O tipo de pavimentação (asfalto, paralelepípedo, barro, terra batida, terra recoberta por gramíneas, etc) e condições (seco ou molhado);
- inclinação do trecho periciado (plano, aclive ou declive) e o sentido;
- Se possui calçamento, citando largura e altura;
- Tipo e qualidade da iluminação artificial na hora dos exames (desprovida, iluminação de sódio ou mercúrio, intensidade e ausência de alguma luminária);
- As condições meteorológicas na hora dos exames (favoráveis ou desfavoráveis), o que prejudica ou destrói vestígios;
- Intensidade do tráfego de veículos e do fluxo de pedestres.

Já os locais fechados são as áreas compreendidas em ambientes fechados. Tais como residências, comércios, entre outros. Na descrição de locais fechados, os seguintes itens deverão ser consignados:
- As medidas do terreno, as áreas com que faz limites (vizinhanças - laterais e posterior), a forma de delimitação do imóvel (muro, cerca, grade), os pontos de acesso ao terreno (portões, porta, etc), porção do terreno em que se localiza a residência;
- Natureza do imóvel (residencial, comercial, industrial, misto), seu respectivo endereço, tipo de construção (alvenaria, ripas, sapê e outros), delimitações do imóvel (muros, cercas, grades), tipo de cobertura (telha colonial, de amianto, etc), o tipo de piso (cerâmica, cimento, etc), revestimento de paredes, instalações elétricas e hidráulicas e se estavam funcionando, áreas de estacionamento e veículos porventura estacionados.
- Número de pavimentos e cômodos, bem como sua função (sala, quarto, banheiro, etc), forma (madeira, aglomerado, metal, alumínio com vidraças) e localização dos acessos à casa e seus respectivos sistemas de segurança (tipos de fechaduras: duplo cilindro, tetra volta, interna, porta cadeados, trincos, travas) e dimensões dos cômodos relevantes;
- Cômodo que foi alvo específico dos exames com descrição detalhada com: localização em relação à casa, dimensões, formas de acesso, vias de ventilação, sistemas de trancamento, mobiliário (tipo, localização e dimensões);
- Outros elementos que o perito reconhecer como importantes.
Ricardo Ferreira

SARNA



O que é? Quem causa? Porque coça tanto?
Esta é uma infecção que é muito conhecida do homem. A muito tempo atrás, na Europa Medieval, era comum, junto com os piolhos e com as pulgas. Devido ao aglomeramento populacional, falta de higiene e saúde, as pessoas tinham parasitoses que eram passados de um para o outro normalmente e muita doença. O tempo passou... alguns homens mais esclarecidos, chegaram a conclusão de que deveria haver higiene, água encanada e potável nas casas, tratamentos de esgoto, remédios e vacinação para que pudesse haver melhor condição de vida e ao mesmo tempo desenvolvimento. Então o que é sarna? A sarna é uma doença infecciosa parasitária cutânea (da pele) causada por um artrópode microscópico - o ácaro Sarcoptes scabiei. Ele possui o corpo globoso, medindo cerca de 400 micrômetros de comprimento por 300 micrômetros de largura, com as pernas curtas e sem garras, com hábitos escavadores penetrando profundamente na pele dos hóspedes. Pode ocorrer no homem e em animais. Entre o contato com o ácaro e os primeiros sintomas há um período de incubação de 8 a 10 dias, após o qual as fêmeas, que ali estão, começam a colocar seus ovos. Para isto escavam túneis na pele e esta atividade complica com a inflamação provocada pela coceira (prurido) que em geral piora a noite por ser a hora de maior atividade deles, levando ao quadro da sarna. Ao coçar-se a pessoa acaba por formar pequenas lesões avermelhadas na pele. Sendo a concentração dos ácaros, onde a pele é mais fina, como as pregas interdigitais, munheca e cotovelos, face interna da coxa, escroto no homem e prega submamária na mulher e também nas dobras das nádegas.
As fêmeas da Sarcoptes põem ovos nos túneis escavados por elas e em poucos dias nasce a larva que se transforma em ninfa. As fêmeas permanecem em suas galerias enquanto os machos saem para buscar outras fêmeas para realizarem a cópula. As formas de larva e ninfa são as causadoras da transmissão da sarna. Esta transmissão é feita pelo contato sexual, por roupas pessoais, de cama ou de banho contaminadas.
Para diagnosticá-la, deve-se procurar um médico e então será feita a anamnese e encaminhará ele encaminhará o doente para fazer exames laboratoriais, como raspado da pele para a confirmação ou não da doença. Ao tratamento, nada melhor que a higiene (banho morno) com medicamentos acaricidas sobre todo o corpo. Associado a uma rigorosa higiene das roupas pessoais e todas as que foram usadas pelos doentes, que devem ser lavadas e fervidas. Nos animais também há a sarna, com muita coceira, perda de pelos, com formação de pústulas e debilitação geral. Entre todos os animais, o gato tem a forma de sarna mais contagiosa para o homem.

Fonte:Enciclopédia Familiar da Saúde, Ed. Clube Internacional do Livro; Atlas de Parasitologia, J. Gállego Berenguer, LIAL; Parasitologia Humana, David Pereira Neves, Livraria Atheneu; Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural.

Maria Celia Amorim

VIAGEM PELO INTERIOR DO CORPO 2


PONTA DE UM FIO DE CABELO MALTRATADO

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Derretimento da calota polar da Groenlândia está acelerado



A calota polar da Groenlândia está derretendo a um ritmo muito acelerado há dois anos. Essa foi a conclusão a que chegaram cientistas após observações feitas por satélites e confirmadas de forma independente por um modelo informático, segundo uma pesquisa publicada na revista Science. Os últimos verões mais quentes que o habitual acentuaram este derretimento, que alcançou 273 km3 por ano durante o período 2006-2008, traduzindo-se num aumento de 0,75 mm por ano do nível dos oceanos. O glaciologista Jonathan Bamber, da Universidade de Bristol e um dos autores do estudo, afirma que as observações confirmam a aceleração da perda da massa de gelo da Groenlândia desde o final dos anos 90. Segundo ele, as causas deste fenômeno permitem pensar que, provavelmente, continuará em um futuro próximo. Foram usadas duas estimativas totalmente separadas para explicar o fenômeno, o que faz com que os cientistas confiem nas cifras obtidas e no acerto de nossas hipóteses para explicar o evento. Os gelos da Groenlândia contêm água suficiente para provocar um aumento de 7 metros no nível dos oceanos. Desde 2000, a calota polar da Groenlândia perdeu 1.500 km3 no total. Isso representa um aumento do nível dos oceanos de meio milímetro anual, ou de 5 mm no total. Uma parte importante do gelo derretido na superfície das geleiras volta a congelar sob a neve que os recobre a cada inverno, explicam os autores do estudo. Sem este efeito moderador, o volume de gelo perdido desde 1996 na Groenlândia teria sido duas vezes maior que o observado atualmente.

Fonte: AFP, WASHINGTON.

Os Animais dão um Show 1

Esta é uma série de vídeos do Animal Planet muito interessante que atinge tanto o público infantil como adulto, falando sobre a Preservação da Natureza e sobre ações simples que podemos desenvolver no nosso dia a dia e que podem melhorar em muito a qualidade de vida em nosso Planeta.

VIAGEM PELO INTERIOR DO CORPO 1

Vamos começar uma série que revela através de fotografias incríveis o interior do corpo humano, registradas com um super microscópio eletrônico. O tamanho dos detalhes varia de 1 a 5 nanômetros. Só para se ter uma ideia o nanômetro, milimícron ou milimicro é a subunidade do metro, correspondente a 1,0×10−9 metros – ou seja, um milionésimo de milímetro ou um bilionésimo do metro. Tem como símbolo nm.


CÉLULAS VERMELHAS DO SANGUE

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Vacina contra malária deve estar pronta em três anos

A vacina contra a malária, cuja última fase de teste está em curso desde maio do ano passado em sete países africanos, poderá ser patenteada dentro de três a cinco anos, garantiram cientistas e especialistas reunidos em Nairóbi. No terceiro dia da V Conferência da Iniciativa Multilateral sobre a Malária, mais de mil especialistas avaliaram os progressos na pesquisa da vacina RTS,S, desenvolvida pelo programa Malaria Vaccine Initiative (MVI) e pelo laboratório GlaxoSmithKline Biologicals (GSK Bio). Os resultados da segunda fase de testes desta vacina, publicados no ano passado, mostraram uma eficácia de 53% entre bebês. A terceira fase de testes clínicos está em processo em Burkina Faso, Gabão, Gana, Quênia, Malawi, Moçambique e Tanzânia, com a participação de 16 mil crianças com entre seis semanas e 17 meses. A atual fase avalia os efeitos colaterais da futura vacina, destinada prioritariamente aos bebês e às crianças com menos de cinco anos, os mais vulneráveis à malária. O doutor Joe Cohen, um dos criadores da RTS,S e pesquisador no GSK Bio, afirmou que é "um momento extraordinário na luta contra a malária em mais de duas décadas de pesquisas, incluindo dez anos de testes clínicos na África". Ele acrescentou que "em entre três e cinco anos a vacina já poderá ser produzida. Tudo isso vai depender, evidentemente, da fase três, mas também da velocidade das autoridades reguladoras sobre o assunto", explicou o pesquisador. "Em caso de sucesso, a RTS,S será a primeira geração de vacinas contra a malária com eficiência de 50% e com proteção superior a um ano", segundo o MVI. Em 2006, a comunidade internacional fixou um objetivo a longo prazo, até 2025, para a produção de uma vacina para a malária com 80% de eficácia contra as formas menos severas da doença, e com uma duração de mais de quatro anos. A Malaria Vaccine Initiative, criada pela organização não governamental PATH, é um programa mundial financiado principalmente pela Fundação Bill e Melinda Gates.
Fonte: AFP - Nairóbi, Quénia.

Ver e saber não basta

Recordes Brasileiros:Maior Edentada do Planeta




-Tatu Canastra, tatuaçu, tatu carreta;
-Pirodontes maximus;
-Com forte carapaça de proteção, apesar de dura dá mobilidade ao animal;
-Corpo coberto por poucos pelos e patas anteriores dotadas de garras enormes, para auxiliar na escavação de buracos;
-É um animal de grandes dimensões, chegando a medir 1 metro de comprimento e de 50 a 75 centímetros de cauda;
-Chegar a pesar 30 quilos;
-Estão em extinção devido a caça para obtenção da carne e também pelo desmatamento;
-É um animal de hábitos noturnos, encontrado perto de lagoas e riachos;
-Seu olfato é fantástico, mas não tem visão e audição muito boas;
-Se alimenta de pequenos insetos, aranhas e cobras.

Fonte: Animais da Terra: dos Pólos ao Equador, Seleções do Reader's Digest; Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Zoologia Geral, Tracy I. Storer, Robert L. Usinger, Companhia Ed. Nacional
Maria Célia

Cidade Mais Alta do Brasil: Campos do Jordão



-Localizada no Estado de São Paulo a 1.628 metros de altura, no interior deste estado, na Serra da Mantiqueira;
-É considerada uma estância climática;
-É Chamada de Suíça Brasileira por seu clima frio, podendo chegar a -1°C e arquitetura européia;
-Seu clima é tropical de altitude com verões suaves e invernos frescos;
-Fica a 165 quilometros da São Paulo, capital;
-Faz parte do turismo rural brasileiro;
-É famosa pelo seu Festival de Inverno.

Fonte: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Geografia do Brasil, aspectos físicos, econômicos e sociais, Ed. Moderna
Maria Célia Amorim