sexta-feira, 21 de maio de 2010

Medicina Legal - Tanatologia Forense


É O ESTUDO DA MORTE E DAS QUESTÕES A ELA RELACIONADAS.

=> Diagnóstico da realidade da morte. (Tanatognose)
=> Diagnóstico do momento da morte. (Cronotanatognose)

CONCEITO DE MORTE

LACASSAGNE (1906) – É a cessação das funções nervosas, respiratória, circulatória e termoreguladora.

THOINOT – A vida se acaba com a extinção das funções respiratória e circulatória.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS -1950) - Desaparecimento de todos os sinais vitais em um momento qualquer, depois do nascimento com vida, sem possibilidade de ressuscitação.

DIAGNÓSTICO DA REALIDADE DA MORTE

TANATOGNOSE

“A morte é cessação dos atos vitais mas, faz-se necessário saber que estes atos tão diversos não cessam todos de uma só vez. A morte não é um momento, mas um verdadeiro processo. Em que instante, pois, se coloca o que vulgarmente se chama de morte?” (Thoinot)

FENÔMENOS CADAVÉRICOS

A) ABIÓTICOS OU AVITAIS
I –IMEDIATOS.
II – CONSECUTIVOS.

B) TRANSFORMATIVOS

I - ABIÓTICOS IMEDIATOS
1) Perda da consciência.
2) Insensibilidade.
3) Imobilidade e abolição do tônus muscular. (Prova de Rebouillat, fascies hipocrática, imobilidade e atitude característica, inexcitabilidade elétrica, dinamoscopia de Collongues)

FENÔMENOS CADAVÉRICOS

4) Cessação da respiração.
5) Cessação da circulação. (Prova de Bouchut, fenômenos oculares, prova acidopirástica de Middeldorf, arteriotomia, ligadura de um membro ou parte dele, coagulação do sangue, sinal da ventosa escarificada de Levasseur, prova da ampola gasosa ou de Ott, forcipressão física de Icard)

II - ABIÓTICOS CONSECUTIVOS

1) Evaporação tegumentar. (Perda de peso do corpo, pergaminhamento da pele, dessecação das mucosas, fenômenos oculares)
2) Resfriamento do corpo.
3) Hipóstases.
4) Rigidez cadavérica.

B – TRANSFORMATIVOS

- AUTÓLISE - Acidificação do meio pela produção do íon H+ ( Sinal de Laborde, de Bissemoret e Ambard, de Lecha-Marzo, de De Dominicis, de Silvio Rebêlo, da forcipressão química de Icard)
- PUTREFAÇÃO.
- DIAGNÓSTICO DA REALIDADE DA MORTE
- SINAIS DE CERTEZA DE MORTE
- SINAIS MÉDICO-LEGAIS DE MORTE
- SINAIS TARDIOS DE MORTE
- LIVORES DE HIPOSTASES
- RIGIDEZ CADAVÉRICA
-PROCESSOS TRANSFORMATIVOS DO CADÁVER

LIVORES CADÁVERICOS OU LIVORES DE HIPOSTASES

São manchas de coloração violácea, em regra, que aparecem na superfície da pele. São consequência da ação da gravidade sobre o sangue, logo que cessada a circulação. Os glóbulos e o plasma se acumulam nas regiões mais baixas do corpo preenchendo as veias e os capilares. Não há extfavasamento sanguíneo. Os livoes aparecem também nos órgãos internos; hipóstases viscerais. Os livores podem tomar coloração diferente.

- Róseo carmim > monóxido de carbono.
- Róseo claro > afogamento.
- Vermelho > ácido cianídrico.
- Escuro > asfixias em geral.
- Azul ardósia > intoxicação por produtos metahemoglobinizantes.

RIGIDEZ MUSCULAR OU RIGIDEZ CADAVÉRICA.

É o resultado da contração muscular post-mortem, secundária a um fenômeno químico catalisado pelo calor e inibido pelo frio. Interessa todos os músculos sem exceção. É atribuída em parte pela substituição da alcalinidade normal dos tecidos por uma acidificação constante de origem muscular. CRONOLOGIA DO APARECIMENTO. Face > mandíbula > pescoço > braço > mãos > tórax > abdome > membros inferiores. Inicio em uma 1h. Generalização de 3a 4h. Máximo 8h.

DESAPARECIMENTO > de 20 a 24h.

FISIOPATOLOGIA

INTERVALO LIVRE => Devido a persistência do ATP (Trifosfato de Adenosina - é um nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia em suas ligações químicas. É constituída por adenosina, um nucleosídeo, associado a três radicais fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular). Sua duração depende da concentração de ATP ante-mortem, produção de ATP post-mortem e de sua hidrólise.

PERÍODO REVERSÍVEL => A adição de ATP ou de oxigênio permite o relaxamento muscular.

RIGIDEZ IRREVERSÍVEL => As modificações histológicas não permitem mais o relaxamento muscular.

RESOLUÇÃO => Atribui-se a um processo de desnaturação e de destruição celular.

ESPASMO CADAVÉRICO => É uma rigidez imediata que pode surgir após decapitação, fulguração ou circunstâncias em que o organismo foi atacado por uma ação brutal. (Lesões do crânio ou do tórax).

PROCESSOS TRANSFORMATIVOS DO CADÁVER

DESTRUTIVOS:

A) AUTÓLISE; processo fermentativo anaeróbico, estéril, abacteriano.
B) PUTREFAÇÃO; decomposição das matérias albuminóides com produção de gases pútridos.
C) MACERAÇÃO; séptica e asséptica.

CONSERVADORES:

A) MUMIFICAÇÃO
B) SAPONIFICAÇÃO OU ADIPOCERA
C) PETRIFICAÇÃO

PROCESSOS TRANSFORMATIVOS DO CADÁVER
DESTRUTIVOS

AUTÓLISE - Anóxia celular > baixa do PH > rotura da membrana celular.
FASE LATENTE – Alterações apenas no citoplasma da célula.
FASE NECRÓTICA – Há comprometimento do núcleo com seu desaparecimento.
PUTREFAÇÃO > Período das manchas. Início 18 a 24h – duração 7 a 12 dias.
Período gasoso. Início 2 a 7 dias – duração 7 a 30 dias.
Coliquativo. Duração de 1 mês a 2 anos.
Esqueletização. Duração 1 a 3 anos.
PUTREFAÇÃO - MANCHA VERDE > início de 18 a 24 horas, se estende a todo corpo em 3 a 5 dias.
PERÍODO GASOSO - 1° DIA – Bactérias anaeróbicas > gases não inflamáveis. (CO2)
2° ao 4° Dia – Bactérias facultativas > gases inflamáveis. ( Hidrogênio e carbonetos)
4° dia em diante > só gases não inflamáveis. (N e NH4)

PERÍODO GASOSO

FLICTENA DA PUTREFAÇÃO (é uma elevação revestida por epitélio contendo líquido. É sinônimo de bolha)

- Líquido escuro.
- Presença de gás.

FLICTENA DA QUEIMADURA
- Líquido amarelado.
- Ausência de gás.
- Presença de leucócitos.
- Presença de proteínas

MACERAÇÃO

Processo transformativo do cadáver em que atuam enzimas existentes nos tecidos.
A maceração asséptica ocorre na ausência de bactérias. (feto no interior do útero)
A maceração séptica ocorre em cadáveres total ou parcialmente submersos. Neste caso temos parte do cadáver macerado e parte putrefato.

CARACTERÍSTICAS

- Destacamentos de amplos retalhos de epiderme.
- Tegumentos com tonalidade avermelhada.
- Corpo perde a consistência habitual. (Achata-se)
- Os tecidos se soltam dos ossos.

NO PRÓXIMO ENCONTRO DAREMOS CONTINUIDADE A ESSE ASSUNTO, FALANDO DOS PROCESSOS TRANSFORMATIVOS DO CADÁVER - CONSERVADORES.

Um comentário:

  1. Excelente!!! as informações estão bastante instrutivas de forma bem objetivas e claras.

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.