domingo, 31 de janeiro de 2010

O Milagre da Vida

video

Direitos dos Animais



Dando uma olhada nas minhas pastas e documentos, achei esta declaração e vi mais uma vez o quanto ela é importante para nossa vida. Todos deveriam conhecer ou pelo menos lê-la uma vez. É uma declaração simples e, ao mesmo tempo, muito complexa pois fala de todos os seres vivos, de como deveriam ser tratados e do quanto os homens passam por cima dela em várias situações: maltratando e não cuidando de quem dá carinho sem ser pedido, quem dá companhia, que está ao seu lado sem ser por interesse, que estará lá sempre e as vezes só olhando. O homem se esquece que um dia poderá ficar sozinho no planeta e acaba fazendo barbaridades com o animal de estimação, em rodeios, em festivais como a farra do boi, em práticas milenares, em touradas, em matanças irracionais e em tantos outros tristes exemplos. Esta declaração protege não só os animais ditos irracionais mas também os “racionais”. Estou reescrevendo ela na íntegra para ser passada para a frente pois acho que não pode ficar guardada numa pasta, tem que ser mostrada para todos e nada melhor do que nesse nosso blog.
Maria Celia Amorim.

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Aprovada por Resolução da UNESCO, de 27/01/78

ARTIGO 1o:
Todos os animais nascem iguais diante da vida, e têm o mesmo direito à existência.

ARTIGO 2o:
a) Cada animal tem direito ao respeito;
b) O homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir-se o direito de exterminar os outros animais, ou explorá-los, violando esse direito. Ele tem o dever de colocar a sua consciência a serviço dos outros animais;
c) Cada animal tem direito à consideração, à cura e à proteção do homem.

ARTIGO 3o:
a) Nenhum animal será submetido a maus tratos e a atos cruéis;
b) Se a morte de um animal é necessária, deve ser instantânea, sem dor ou angústia.

ARTIGO 4o:
a) Cada animal que pertence a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu ambiente natural terrestre, aéreo e aquático, e tem o direito de reproduzir-se;
b) A privação da liberdade, ainda que para fins educativos, é contrária a este direito.

ARTIGO 5o:
a) Cada animal pertencente a uma espécie, que vive habitualmente no ambiente do homem, tem o direito de viver e crescer segundo o ritmo e as condições de vida e de liberdade que são próprias de sua espécie;
b) Toda a modificação imposta pelo homem para fins mercantis é contrária a esse direito.

ARTIGO 6o:
a) Cada animal que o homem escolher para companheiro tem o direito a uma duração de vida conforme sua longevidade natural;
b) O abandono de um animal é um ato cruel e degradante.

ARTIGO 7o:
Cada animal que trabalha tem o direito a uma razoável limitação do tempo e intensidade do trabalho, a uma alimentação adequada e ao repouso.

ARTIGO 8º:
a) A experimentação animal, que implica em sofrimento físico, é incompatível com os direitos do animal, quer seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra;
b) As técnicas substitutivas devem ser utilizadas e desenvolvidas.

ARTIGO 9o:
Nenhum animal deve ser criado para servir de alimentação, ser nutrido, alojado, transportado e abatido, quando, para isso, tenha que passar por ansiedade ou dor.

ARTIGO 10:
Nenhum animal deve ser usado para divertimento do homem.A exibição dos animais e os espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal.

ARTIGO 11:
O ato que leva à morte de um animal sem necessidade é um biocídio, ou seja, um crime contra a vida.

ARTIGO 12:
a) Cada ato que leve à morte um grande número de animais selvagens é um genocídio, ou seja, um delito contra a espécie;
b) O aniquilamento e a destruição do meio ambiente natural levam ao genocídio.

ARTIGO 13:
a) O animal morto deve ser tratado com respeito;
b) As cenas de violência de que os animais são vítimas, devem ser proibidas no cinema e na televisão, a menos que tenham como fim mostrar um atentado aos direitos dos animais.

ARTIGO 14:
a) As associações de proteção e de salvaguarda dos animais devem ser representadas a nível de governo;
b) Os direitos dos animais devem ser defendidos por leis, como os direitos dos homens.

Aprendendo a lição com os Maias



Achei bem interessante a matéria "Lições dos Maias - 05/12/2009 - O Globo, Caderno de Ciência, p. 44 - Renato Grandelle", sobre como podemos aprender com as civilizações antigas que foram varridas, possivelmente, em função do desquilíbrio ambiental e que de uma certa forma isso pode se constituir em um importante alerta sobre a ameaça climática, a fim de não cometermos os mesmos erros. Mudanças climáticas muito menores e mais localizadas do que as que ameaçam o mundo agora já varreram culturas do mapa outras vezes no passado. Acreditasse que a falta de capacidade de enfrentar desequilíbrios ambientais tenha sido fator determinante para o declínio da civilização Maia. Coordenador do Laboratório de História e Ecologia da UFRJ, José Augusto Pádua, explica que povos que já estavam no limite simplesmente não conseguiram enfrentar alterações em seu mundo. O clima não os eliminou de uma só vez, mas foi fator determinante num processo de declínio. Quando os espanhóis chegaram, por exemplo, os maias já não eram mais uma civilização poderosa, mas uma cultura fragmentada, sequer uma sombra de seu passado. Estudos indicam que um violento 'El Niño' teria sido o golpe final numa civilização que já havia esgotado a maioria dos recursos naturais que propiciaram seu desenvolvimento. A civilização maia foi a mais avançada da América pré-colombiana e no seu auge chegou a ter mais de 40 cidades espalhadas numa região que hoje inclui a península de Yucatán, um pedaço do estado de Chiapas, no México, e partes de Belize, Guatemala e Honduras. Uma área de cerca de 325 mil quilômetros quadrados, o que equivale, mais ou menos, ao tamanho do estado do Maranhão. Nesse período, entre os séculos 3 e 9, os maias dominavam a astronomia, a matemática, a escrita, norteavam-se por um preciso sistema de calendários e eram sofisticados construtores. Formavam a civilização de tecnologia mais avançada do mundo, à frente das maiores potências européias. Por volta do século 9, no entanto, os maias experimentaram um colapso súbito. Os centros urbanos densamente povoados foram abandonados e a civilização, da forma como até então era conhecida, simplesmente desapareceu. Os maias desenvolveram refinada astronomia, um calendário de 365 dias, escrita por hieróglifos e um sistema matemático. Mas isso não foi suficiente para que sobrevivessem como cultura. Foram vítimas da destruição da floresta e de um crescimento demasiado da população. O El Niño teria sido a gota d'água. A concepção de uma cidade maia é parecida com a de hoje: existiam espaços livres, bairros com estradas entre eles e sistema de captação de água - conta Alexandre Navarro, da Universidade Federal do Maranhão, que estuda a cultura maia. "O desmatamento, porém, foi intenso. Não havia casas em meio à floresta tropical, porque a mata foi totalmente devastada. As florestas que hoje cercam os sítios arqueológicos maias são secundárias, não foi a floresta conhecida por aquela civilização", afirma o pesquisador. Amostras de pólen datadas por cientistas revelam que, no período final dos maias, dos anos 600 a 850, a quantidade de árvores na região era praticamente nula. Neste período, segundo Navarro, a temperatura da região aumentou até 4 graus Celsius. O último registro conhecido daquela civilização é de 909. À época, diversas cidades já tinham sido abandonadas. "Só conseguiram sobreviver por mais tempo as cidades próximas aos lagos, que lidaram em melhores condições com a seca e estavam integradas a uma rota de comércio a longa distância", assinala o pesquisador. "Mas até os lagos ficaram esgotados, assim como o solo, graças à prática de queimadas na agricultura".

Fontes: "Lições dos Maias - Renato Grandelle - O Globo, 05/12/2009, Caderno de Ciência, p. 44, com colaboração de Graça Magalhães-Ruether, de Berlim; e "O Destino dos Maias", Lia Hama,
Ricardo Ferreira

Maior Planície Alagada do Planeta



-Complexo do Pantanal ou também chamado Pantanal Matogrossense;
-Com 250 mil Km² de extensão;
-Com altitude média de 100 metros;
-Vai do sudoeste do Mato Grosso a oeste do Mato Grosso do Sul, onde se encontra o maior trecho;
-O nome Pantanal dá a falsa idéia de área alagada e pantanosa permanentemente, porém a região é inundada apenas por águas do Rio Paraguai e seus afluentes na época de chuvas (verão);
-O solo é argiloso ou arenoso e seco quando fora das inundações;
-Possui tapete de gramíneas,que é excelente para as pastagens;
-Sua biodiversidade é muito rica;
-Sua fauna é talvez a mais rica do planeta;
-Também neste local convivem mais de 1000 espécies de animais: cerca de 650 aves, entre elas os tucanos, garças-brancas, tuiuius, arara-azul-grande e outras; 263 espécies de peixes, entre eles as piranhas; 80 espécies de mamíferos, entre eles as onças-pintadas, lobos-guarás, capivaras, veados-campeiros e muitos outros; infinita quantidade de répteis;
-Seu bioma é constituido principalmente por uma savana estépica, alagada em sua maior parte;
-É uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta;
-Seu clima é quente e úmido no verão e mais frio no inverno.

Fonte: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Animais da Terra: Dos Pólos ao Equador, Seleções do Reader's Digest; Ecologia Geral, Roger Dajoz, Ed. Vozes; Ibama.gov.br; pantanalms.tur.br.
Maria Celia Amorim

sábado, 30 de janeiro de 2010

Peixe-boi migra para áreas sem alimento para fugir de predadores



Cientistas rastrearam o mamífero aquático com equipamento de rádio e descobriram que ele sai da zona onde encontra seu alimento farto para fugir dos predadores. Por meio de rastreamento por rádio, cientistas conseguiram acompanhar a migração sazonal de dez peixes-boi no Amazonas ao longo de 12 anos e mostraram que, na época de seca, a espécie muda de habitat para fugir de predadores, ainda que precise passar fome durante esse período. O artigo publicado na revista “Journal of Zoology” mostra que no período de maio a junho, quando há mais chuvas e os rios amazônicos enchem, os peixes-bois preferem ficar nas lagoas de várzea, onde encontram mais plantas para comer. Entre outubro e novembro, no entanto, as águas baixam tanto nessas lagoas que a espécie fica muito ameaçada pelos seus predadores – como os jacarés, as onças e os seres humanos. Por isso, migra para áreas de água mais profundas praticamente sem vegetação aquática que possa comer, o que o leva a jejuar por cerca de metade do ano. A pesquisa foi realizada nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá e Amanã, no oeste do Amazonas. Os autores concluem que o peixe-boi pode estar mais ameaçado do que se pensava anteriormente, já que a migração regular e a eventual permanência em áreas de águas rasas em busca de comida o tornam vulnerável.
Fonte: G1 (globoamazônia)

Golfinho Nariz de Garrafa


-Tursiops truncatus;
-Também conhecido como golfinho comum, golfinho roaz, roaz ou mesmo fliper;
-Da família Delphinidae;
-Eles aparecem nos oceanos de águas tropicais, subtropicais, temperadas, estuários, canais, lagos e as vezes em rios;
-Têm de 1,9 a 4 metros de comprimento;
-Com peso médio de 500 Kg;
-Possuem o corpo e a cabeça robustos;
-Seu bico é curto, largo e forte;
-A nadadeira dorsal é alta e falcada;
-Com o corpo hidrodinâmico em forma de torpedo;
-Nadando chegam até a 40 Km/h e são muito ágeis;
-Gostam de acompanhar os barcos;
-Sua cor vai do creme ao cinza ou preto;
-Sua barriga é mais clara que o dorso;
-Vivem em grupos de 10, mas em alto mar já foram avistados grupos de mais de 100 indivíduos;
-Aparecem em todos os mares menos nos polares;
-Vivem até 45 anos;
-Estão próximos à costa do Rio Grande do Sul e Santa Catarina até o nordeste brasileiro;
-Aparecem em mares e estuários;
-Comem peixes, lulas, as vezes polvos e também crustáceos, chegando a comer 20 Kg por dia;
-É o golfinho mais conhecido do mundo;
-É o famoso Flipper.

Maria Celia Amorim

Tartarugas Marinhas: Chelonia mydas



-Ela se distribui ao longo da costa brasileira, migrando periodicamente até a Ilha Ascenção, mas não todos os anos, entre a África e a América do sul;
-É uma tartaruga comum, também conhecida como aruanã, perês, suanha, do mar, jereba, suçuarana entre outros nomes;
-Como prefere desovar em ilhas distantes, como Trindade e Fernando de Noronha, conseguiu permanecer abundante no Brasil;
-É a preferida das sopas por ser grande e ter carne saborosa;
-Chega pesar até 450 quilos;
-Pode medir de 35 centímetros até 1 metro;
-É herbívora;
-Se alimenta de algas;
-Vive em todos os oceanos, nas zonas tropicais;
-Vêm a terra para reproduzir nas ilhas e praias arenosas muitas vezes afastadas das suas áreas de alimentação;
-É a única que realiza grandes migrações.

Maria Celia Amorim

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Formigueiro Gigante.

video

Deserto de Chihuahua



-É um deserto quente e com chuvas esparsas de verão;
-Ocupa 6 estados mexicanos e parte de 2 estados americanos;
-Possui clima tropical;
-Com estepes, arbustos xerófilos, savanas e florestas tropicais;
-Possui 362.600 Km² de extensão;
-Deserto com maior biodiversidade da Terra;
-Possui 3500 espécies de plantas sendo que 1000 são endêmicas;
-Nas montanhas vivem desde ursos a onças;
-Passam por ele os Rios Grande e o Bravo.

Fonte:nationalgeographic.com; Grande Enciclopédia Lçarousse Cultural, Nova Cultural; Os Caminhos da Terra, Ed. Azul; mexico.costasur.com; portalsãofrancisco.com.

Maria Celia Amorim

Principal Produto Agrícola do Brasil: Cana-de-açúcar



-Historicamente vem sendo cultivada desde a época da colonização;
-Foi trazida para o Brasil pelos portugueses na primeira década do século XVI, sendo nativa da Nova Guiné e do sudeste da Ásia;
-Saccharum officinarum;
-É de áreas ensolaradas e com chuvas abundantes;
-É considerada a cultura mais eficiente em converter a luz solar em açúcar, sendo a planta que mais produz açúcar;
-O Brasil é pioneiro na conversão da cana em etanol, um biocombustível alternativo ao petróleo;
-Mais de 10 toneladas de cana moída produzem 1 tonelada de açúcar;
-Atualmente o Brasil é o maior produtor seguido da Índia;
-As canas colhidas são moídas para a extração do sumo que então é purificado e cristalizado se transformando em açúcar mascavo.Depois é refinado para ser produzido o açúcar branco;
-O resto da cana além de ser queimado para produzir energia para as fábricas, também serve para a fabricação de papel, plásticos e ração para animais;
-Dela também se faz o melaço.

Fonte:iee.usp.br; suapesquisa.com; Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; O Poder das Plantas, Incríveis poderes da Natureza, Seleções do Reader's Digest.
Maria Celia Amorim

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

A Tênue Linha da Vida

video

Primeira Cidade Brasileira a Realizar a Coleta Seletiva: Curitiba



-Localizada no estado do Paraná, sendo sua capital, da região sul do Brasil;
-Nesta cidade o lixo é coletado diariamente, lotando 42 caminhões;
-Esta coleta começou no ano de 1989;
-Hoje atinge 100% das casas;
-Com produção de 2,2 toneladas de lixo seco por dia;
-Também existem de 3,5 mil a 4 mil catadores que ficam com a maior parte do lixo reciclável, sendo responsáveis pela retirada de 600 toneladas das ruas;
-70% dos curitibanos separam o lixo orgânico do reciclável;
-Em 2010 a coleta seletiva de Curitiba completa 20 anos;
-O sucesso deste projeto se deve a conscientização e participação da população;
-A coleta seletiva deste material é realizada pela Prefeitura da Cidade.

Fonte:resol.com.br; paraná-online.com.br; Geografia do Brasil, aspectos físicos, economicos e sociais. Ed. Moderna; Ecologia, Ecossistema e Desenvolvimento Sustentável, Ed. Moderna.

Maria Celia Amorim

Recorde Animal: Menor Primata



-É o popularmente chamado mico-leãozinho, sagui leãozinho ou macaco pigmeu;
-Callitrix pygmaea;
-Também é o menor mamífero primata do mundo;
-Possui 13,6 centímetros de corpo e mais de 20 centímetros de cauda;
-É da Floresta Amazônica, da Região Amazônica;
-Ele é muito comercializado na cidade de Belém, no estado do Pará, região Norte do Brasil;
-Possui 2 tipos: um amarelo e outro grisalho;
-Pesa até 130 gramas;
-É muito rápido;
-É difícil ser observado na natureza;
-Ótimo escalador de árvores;
-Vivem em pequenos grupos;
-São monogâmicos;
-Comem frutas, folhas, insetos e a seiva das árvores;
-São muito usados pelo índios para catar piolhos em suas cabeças;
-São muito procurados por traficantes de animais para serem vendidos para colecionadores.

Fonte: rio.rj.gov.br/riozoo; Revista Os Caminhos da Terra, Ed. Azul; Animais da Terra: Dos Pólos ao Equador, Seleções do Reader's Digest.

Maria Celia Amorim

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Os peixes ornamentais da Amazônia



Os estados do Pará e Amazonas, do norte brasileiro, são os que mais exportam peixes de aquário no país e sua captura é feita com autorização das autoridades amparadas por lei e chega a movimentar milhões de reais.Um pedacinho da Amazônia pode estar vivendo dentro da sua casa, sem você saber. A região de Barcelos, no Amazonas, é uma das mais ricas do planeta em peixes ornamentais, que são capturadas lá e vivem em aquários espalhados por todo o mundo.Segundo as últimas estatísticas do Ibama, o Brasil exportou, em 2007, R$ 5,9 milhões em pequenos peixes de água doce, sendo que 90% desse valor veio de espécies capturadas no Pará e no Amazonas. O animal mais popular é o peixinho de nome tetra cardinal (Paracheirodon axelrodi), da Região Norte, que alcançou a marca de 18,3 milhões de unidades exportadas. A maior parte da atividade é feita de forma legal, e o Ibama tem uma lista de 379 espécies que podem ser coletadas. Na reserva de Amanã, no Amazonas, a captura é realizada com o acompanhamento de cientistas e pesquisadores, que estudam a melhor forma de tirar os peixinhos da natureza com o mínimo impacto. Seguem abaixo alguns exemplos de peixes que fazem parte de uma lista:
Acará-disco (Symphysodon discus) é uma das 'estrelas' da Amazônia. Na reserva de Amanã, a coleta é acompanhada de estudos científicos para causar pouco impacto sobre a natureza. (foto 1);
Tetra Cardinal, Neon Cardinal ou também chamado Neon (Paracheirodon axelrodi) sendo o mais popular. Por ser pequeno, bonito e fácil de criar, ganhou a preferência de aquaristas ao redor do planeta. Tem um parente muito parecido com ele, o neon verde (Paracheirodon simulans) que também está entre os mais populares da Amazônia. (foto 3, em cima a esquerda);
Limpa-vidros (Otocinclus affinis e Otocinclus vittatus) são pequenos e são muito procurados por seus serviços de “higienização” nos aquários. (foto 3, embaixo a direita);
Rodóstomus, rodóstomus falso (Hemigrammus bleheri), estes peixinhos chamam a anteção pela cabeça vermelha e pelo rabo listrado. (foto 3, em cima a direita);
Coridora, limpa-fundo (Corydoras sp) são peixinhos simpáticos e pacífico. Eles adoram comer uma minhoca. (foto 3, embaixo a esquerda);
Peixe-borboleta (Carnegiella strigata) este faz jus ao nome, e literalmente voa para fora do aquário se uma tampa não for colocada. (foto 2),
Fonte: G1, Globo Amazônia,na íntegra