segunda-feira, 31 de maio de 2010

Se por aqui é lindo, imagine visto lá de cima...

video

Endolimax nana


Esta ameba é uma das menores. Também é um protozoário rizópode que utiliza os pseudópodes para a locomoção e englobamento de seu alimento. Seu trofozoíto mede de 10 a 12 micrômetros. Seu citoplasma é claro e sua membrana é fina, além de possuir 4 núcleos irregulares e pequenos. Seus cistos podem aparecer nos exames de fezes em grande número junto a outros protozoários - amebas ou giárdias- ou apenas elas. É uma ameba comensal e aparece no intestino humano e de outros primatas. O homem se contamina através de alimentos e da água contendo seu cisto e também pelas mãos. As moscas também funcionam como transmissoras destas amebas ao pousar em alimentos expostos.

Fontes: Parasiltologia Humana, David Pereira Neves, Livraria Atheneu; Atlas de Parasitologia, J. Gállego Berenguer, LIAL; Zoologia dos Invertebrados, Robert D. Barnes, Ed. Roca.

Maria Celia Amorim

Cidade da Sociedade Alternativa: Sana


-Situada entre os Municípios de Trajano de Moraes, Macaé, Casimiro de Abreu, Nova Friburgo e Lumiar, no Rio de Janeiro, na região sudeste do Brasil;
-É o sexto distrito de Macaé;
-Apareceu em documentos oficiais em 1813;
-Os primeiros habitantes que aí chegaram plantaram café, nos anos de 1930;
-Virou Distrito da Sociedade Alternativa em 1970 influenciado pelo movimento Hippie e naturalista, sendo desfeita em 1979;
-É também conhecido como Arraial do Sana;
-É uma APA – Área de Preservação Ambiental;
-Está a 165 Km do Rio de Janeiro;
-Ela é muito visitada por turistas, místicos e mochileiros, procurando reabastecer suas energias nas cachoeiras da região;
-Possui trilhas para o ecoturismo;
-Possui numerosas cachoeiras: altas, baixas, com uma queda ou com diversas quedas, sendo que muitas delas são desconhecidas;
-A cachoeira do Roncador tem 80 metros de altura;
-Aí se encontra o Pico do Peito do Pombo a 1.200 metros de altitude (foto 2).

Fontes: brasilviagem.com; viagensmaneiras.com; Guia O Dia de Viagem (6/4/2010).

Maria Celia Amorim

Mamutes tinham sangue 'anti-congelamento'



Os cientistas australianos anunciaram a descoberta de que os mamutes possuíam um sangue "anti-congelamento" que os ajudava a manter o suprimento de oxigênio do corpo em baixas temperaturas. No artigo que foi publicado na revista científica Nature Genetics, os pesquisadores da Universidade de Adelaide afirmaram ter "ressuscitado" a hemoglobina autêntica dos mamutes, o que os ajudou na descoberta. A hemoglobina é a proteína das hemácias que transporta o oxigênio no sangue dos mamíferos. Mas sua habilidade de lançar esse oxigênio nos órgãos e tecidos é inibida em baixas temperaturas. Segundo os cientistas, os mamutes eram dotados de uma adaptação genética que permitia que o transporte de oxigênio ocorresse mesmo no extremo frio, o que não acontece nos animais de hoje. Os pesquisadores sequenciaram os genes da hemoglobina a partir do DNA de três mamutes siberianos preservados no chamado permafrost (tipo de solo do Ártico), onde eles morreram há dezenas de milhares de anos. As sequências de DNA foram convertidas em RNA e inseridas em bactérias, que então produziram perfeitamente a proteína do mamute. Os cientistas deste modo testaram essa proteína e confirmaram que três mutações altamente raras na sequência da hemoglobina permitiam seu funcionamento mesmo a baixas temperaturas. Sem essa adaptação genética, os mamutes perderiam mais energia no inverno e seriam obrigados a comer mais. Os mamutes, que são ancestrais dos atuais elefantes, se originaram na África equatorial. Mas entre 1,2 e 2 milhões de anos atrás, membros da linhagem dos mamutes migraram para latitudes mais altas.

Fonte: G1

Maria Celia Amorim

domingo, 30 de maio de 2010

O MAL ATRAVÉS DE ALGUMAS FACES – CRIMINOLOGIA



Para o psicólogo Theodore Millon, da Universidade de Harvard, os psicopatas podem ser divididos em algumas categorias, conforme a influência de outros transtornos de personalidade. Ele, por exemplo, cita os que buscam a qualquer custo ganhar reputação. Esses possuem traços de personalidade narcisista, numa versão psico do macho alfa, ou seja, gostam de dar uma de durão e serem assim na visão deles é um meio de provar a sua força e garantir reputação. Se por algum momento se sentir contrariado pode reagir de maneira violenta para anular aqueles que considera como obstáculos a seus objetivos. Tem também o invejoso que numa visão deturpada sente que a vida deu aos outros o dinheiro, o respeito e a admiração que ele acredita também ser merecedor e por isso para alcançar esse objetivo, esse tipo de psicopata não possui qualquer escrúpulo para puxar o tapete dos outros e se agarra a símbolos de status como carros caríssimos, jóias, mansões, diplomas falsificados e começa a praticar uma série de atividades até ilícitas para atingir esse objetivo. Há também o aventureiro que possui traços muito fortes de personalidade histriônica, ou seja, fazem de tudo para conseguir chamar a atenção. Para ser admirado ele se arrisca nas situações que para um ser humano normal praticá-las seria uma loucura, mas para esse psicopata é pura adrenalina. Ele brinca com a morte em rachas, arrisca fortunas em jogos, comete crimes ousados, em vez de se prender ao tédio das responsabilidades do dia-a-dia. Há também o nômade que tem traços de personalidade esquizóide. Em vez de buscar subverter as normas sociais como os outros psicopatas, ele busca se livrar delas pulando de galho em galho sem pertencer a lugar algum. São perigosos pois podem tonar-se extremamente violentos sob efeito de álcool e drogas. E há também o malévolo que possui traços de personalidade paranóide. É brutal, rancoroso e vingativo. Esse é um dos piores. Tem mania de perseguição ou acha que os outros vão sempre vão traí-lo ou puni-lo e para vingar-se parte para a violência. Se os traços sádicos forem mais predominantes, ele vai buscar se divertir, impondo medo e terror em cima dos mais fracos.///////////

Ricardo Ferreira

Parque Nacional dos Campos Gerais (42)


-Localizado no estado do Paraná, sul do Brasil;
-Criado pelo Decreto do dia 23/3/2006;
-Seu objetivo é proteger nascentes, campos e barrar o avanço das áreas agrícolas;
-Possui o 6° maior cânion do mundo, o Guartelá com 40 Km de extensão;
-Resta apenas 0,2% da cobertura original de seu ecossistema;
-Possui em sua área diferentes ecossistemas como os campos, floresta ombrófila mista, campos naturais e área de transição e banhado;
-Sua fauna tem como representantes a onça-pintada, tamanduá-bandeira, lobo-guará, aves como a curicacas, caracarás e falcão-de-coleira entre tantos outros.

Maria Celia Amorim

Cachoeiras do Planeta: Horsetail Falls


-Localizada no Parque Nacional do Yosemite, no estado da Califórnia, Estados Unidos;
-É uma pequena queda de água;
-É também chamada de Cachoeira do Fogo;
-Ela corre para o lado leste de El Capitan;
-É uma cachoeira sazonal que só aparece no final do inverno e no início da primavera;
-Esta cachoeira reflete a luz do sol quando seus raios incidem sobre ela em determinado horário, dando a impressão que está caindo lava da montanha e não água.

Fontes: sneakerbr.com.br; simonseeks.com.

Maria Celia Amorim

sábado, 29 de maio de 2010

Lixão, Aterro controlado e Aterro sanitário



Para onde vai o seu lixo depois que você o joga na lixeira? Pouca gente pensa sobre o assunto, mas tudo o que consumimos, desde uma garrafa de água até o pneu do carro, vira lixo em algum momento e segue por um destino que muitas vezes não é sustentável. Somente no Brasil são produzidos cerca de 240 mil toneladas de lixo todos os dias, sendo que apenas 2% de tudo isso segue para reciclagem. O resultado é uma enorme quantidade de resíduos que precisa de uma nova destinação após sua vida útil. Entre todos os rumos possíveis, três se destacam no país: os lixões, os aterros controlados e os aterros sanitários. As diferenças entre cada um deles você confere logo abaixo:
Lixão é uma área de disposição final de resíduos sólidos sem nenhuma preparação anterior do solo. Institucionalizados ou clandestinos, esses locais recebem volumes diários de lixo que são amontoados um por cima do outro. População civil e, em alguns casos, a própria prefeitura, são responsáveis por jogar o lixo coletado no local. Diversos problemas tornam o lixão a solução menos indicada quando o assunto é o descarte do lixo. Por não ter nenhum tipo de proteção, esses locais se tornam vulneráveis à poluição causada pela decomposição do lixo, tanto no solo, quanto nos lençóis freáticos e no ar. Isso ocorre porque a maior parte do material despejado entra em processo de decomposição, produzindo o chorume e o gás metano. O chorume escorre com o auxílio da chuva e penetra na terra, chegando aos lençóis freáticos localizados abaixo do lixão e contaminando a água. Já o biogás resultante da decomposição do lixo e formado por gases como metano, gás carbônico (CO2) e vapor d’água, é liberado diretamente para a atmosfera – sem antes passar por nenhum tipo de tratamento. Além dos impactos ambientais, o acumulo de lixo atrai animais transmissores de doenças, como moscas e ratos. O local ainda é tido como fonte de renda para a população carente, que recolhe o material reciclável e, em alguns casos, chega a se alimentar dos restos encontrados no lixo.
Aterros controlados são locais intermediários entre o lixão e o aterro sanitário. Trata-se geralmente de antigas células que foram remediadas e passaram a reduzir os impactos ambientais e a gerenciar o recebimento de novos resíduos. Esses locais recebem cobertura de argila e grama e fazem a captação dos gases e do chorume. O biogás é capturado e queimado e parte do chorume é recolhida para a superfície. Os aterros controlados são cobertos com terra ou saibro diariamente, fazendo com que o lixo não fique exposto e não atraia animais.
Aterros sanitários são espaços preparados para a deposição final de resíduos sólidos gerados pela atividade humana. Esses locais são planejados para captar e tratar os gases e líquidos resultantes do processo de decomposição, protegendo o solo, os lençóis freáticos e o ar. As células são impermeabilizadas com mantas de PVC e o chorume é drenado e depositado em um poço, para tratamento futuro. O biogás é drenado e pode ser queimado em flaires ou aproveitado para eletricidade. Por ser coberto por terra diariamente não há proliferação de pragas urbanas.

Fonte: ECO D

Lagartas brasileiras que causam queimaduras: Megalopyge ianata


-Da família Megalopygidae;
-Com longas cerdas;
-De cor preta com manchas brancas transversais e dorsais largas em cada segmento;
-Têm tufos de pêlos pretos longos e curtos;
-Seus espinhos avermelhados estão na base dos tufos;
-São responsáveis pelos casos mais graves de queimaduras produzidas pelo contato de nossa pele com as cerdas que revestem o corpo desta lagarta;
-Esta lagarta é conhecida como Suçuarana.

Fontes: cit.sc.gov.br; butantan.gov.br; poratlsaofrancisco.com.br.

Maria Celia Amorim

O Pulsar da Vida

video

Animal do Folclore Amazônico mais fabuloso: Mapinguari

-É um animal lendário e fantástico da Amazônia;
-Relatos de sua existência são muito frequentes entre os seringueiros do Acre e Rio Purus;
-Seria uma espécie de Yetl amazônico ou um elo perdido entre o homem e o macaco;
-É de porte avantajado, de corpo peludo e aspecto assustador;
-Semelhante ao homem, mas coberto de pelos, que devora somente a cabeça dos mortais;
-Se origina dos índios que alcançam a idade muito avançada.

Fontes: Portalsãofrancisco.com.br; Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural.

Maria Celia Amorim

sexta-feira, 28 de maio de 2010

País com maior número de aves de “bicos redondos”: Brasil



-São as aves da família Psittacidae;
-Como exemplo temos as araras, periquitos, caturritas, maitacas, papagaios, maracanãs e tuins;
-O tamanho varia conforme a espécie;
-O peso também varia conforme a espécie: o tuim pesa 25 gramas e a arara-azul pode pesar até 1,5 Kg;
-Não há variação nos hábitos deles;
-Existem muitas espécies diferentes;
-Além do bico redondo outra característica é a perna curta;
-São exímios trepadores e andam pelos galhos das árvores;
-O tuim gosta de ocupar o ninho do João-de-Barro;
-A caturrita faz seu próprio ninho;
-Os papagaios são uma das mais cobiçadas aves de estimação;
-Com vistosas plumagens variando do verde, vermelho, azul e amarelo e em algumas espécies combinam uma ou mais cores;
-Vivem em casais que formam bandos;
-São muito barulhentos, o que os coloca em perigo pois chamam muito a atenção dos predadores;
-Se alimentam de frutas;
-Chegam a viver até 80 anos ou mais;
-No mundo existem 344 espécies de Psittacidae e o Brasil é o país que possui o maior número de espécies catalogadas: 72.
Fontes: aultimaarcadenoe.com; Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; Atlas da Fauna Brasileira, MA/IBDF-MEC/FENAME, ED. Melhoramentos.

Maria Celia Amorim

Todo mundo gosta de carinho...

video

Cachoeiras do Planeta: do El Dorado


-Localizada no extremo norte do estado do Amazonas, região norte do Brasil;
-Com quase 400 metros de altura;
-Na Serra do Curupira, no Monte Tantalita;
-No Município de Barcelos, 211 Km desta cidade;
-Pode ser visitada o ano inteiro, sendo que de Abril a Setembro são os melhores meses, por ser período de chuvas;
-Está localizada acima de 2.000 metros de altitude com rios caudalosos, ilhas fluviais e praias de areia branca;
-Possui grande diversidade animal e vegetal;
-É a maior cachoeira do Brasil em queda livre.

Fontes: brasilturismo.com; vejaki.com.br; ogalileu.com.br.

Maria Celia Amorim

A Volta da águia-careca


Durante três décadas, cientistas tentaram restabelecer populações procriadoras de águias-carecas (ou águias-de-cabeça-branca, o animal símbolo dos Estados Unidos) nas Ilhas do Canal, na costa sul da Califórnia. As águias desapareceram das ilhas na década de 1960, vítimas, como muitos outros pássaros, do pesticida DDT, que afeta sua habilidade de reprodução. Ao escavar um antigo ninho da ilha em busca de resquícios de presas, e através de análises isotópicas de penas e ossos de espécimes de museus, Seth D. Newsome, hoje na Universidade do Wyoming, e colegas reconstruíram a dieta das águias-carecas das Ilhas do Canal ao longo do tempo. O trabalho mostrou que, por milhares de anos antes de 1800 (quando os europeus chegaram pela primeira vez às ilhas), a dieta da águia consistia basicamente de aves marinhas. Porém, quando os ranchos de carneiros foram estabelecidos, na metade do século 19, a dieta mudou, principalmente para carcaças de carneiros. Hoje, não existem mais carneiros nas ilhas. Por isso, se as populações de águias-carecas se restabelecessem, elas teriam de buscar novas presas. Newsome disse que as fontes de presas poderiam incluir carcaças de leões marinhos e ou aves marinhas. Ambos são potencialmente problemáticos: os pássaros porque suas populações também diminuíram e hoje estão se recuperando, e os leões marinhos porque eles transmitiriam contaminantes e poluentes acumulados em seu tecido.

Fonte: Último Segundo

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Parque Nacional do Xingú (41)


-Antigo Parque Nacional Indígena do Xingú;
-Criado pelo Decreto 50.455 de 14/4/1961;
-Foi a primeira terra indígena homologada pelo Governo Federal;
-Possui 27.000 Km² de área (aproximadamente 2.800.000 hectares) incluindo as terras indígenas Batovi e Wawi;
-Localizado no estado do Mato Grosso e porção sul da Amazônia;
-Sua vegetação é de cerrado e campos;
-Este parque é cortado pelo Rio Xingú;
-Atualmente vivem neste parque cerca de 5.500 índios de 14 etnias diferentes, de 4 famílias lingüísticas indígenas do Brasil: Carib, Aruak, Tupi e jê;
-Esta região possui grande biodiversidade tanto na flora quanto na fauna.

Maria Celia Amorim