segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Madeira usada na guitarra Gibson coloca fabricante na mira dos ambientalistas


As guitarras Gibson, cultuadas por músicos mundo afora, estão na mira dos ambientalistas por levar em sua fabricação madeiras de árvores em extinção. O caso poderá, literalmente, dar novo tom à música escutada em Nashville, berço da música country americana, caso madeiras raras sejam substituídas por outros materiais. Mr. Jack, um veterano guitarrista da cidade do Alabama diz que o celebrado modelo Les Paul, um ícone da marca, tem um som incomparável. "Você pode sentir em seu ouvido. É como se (o som) rapidamente ultrapassasse suas costeletas. É o tom", diz Jack. Mas o tom está ameaçado. No último dia 28 de agosto, carregamentos de madeira vindos da Índia foram lacrados por agentes armados nas dependências da Gibson em Nashville e em Memphis. Segundo as autoridades, a Gibson violou o chamado Lacey Act, que determina que as importações americanas sigam as leis ambientais do país de origem dos produtos. O embargo à Gibson acabou virando uma causa do grupo conservador Tea Party, ligado à oposição republicana. O movimento acusa o governo federal, em Washington, comandando pelo americano Barack Obama, de extrapolar o papel do Estado. Sob investigação, o presidente da Gibson, Henry Juszkiewicz, foi ovacionado em um encontro do Tea Party ao protestar contra o que considera "injustiça". A carga interceptada, no valor de US$ 500 mil, é suficiente para produzir dez mil braços de guitarra. Apesar das restrições cada vez maiores, a Gibson produz, a cada dia, 700 guitarras. Com leis regulatórias cada vez mais estritas, a Gibson e outras fabricantes agora buscam madeiras alternativas. A Dalbergia nigra, do Brasil, considerada o "santo graal" dos músicos, já não pode mais ser usada, porque entrou na lista de espécies em extinção. O ébano, de Madagascar, deixou há alguns anos de ser uma opção, após pressão de grupos ambientalistas. Em junho deste ano, foi interceptado um outro carregamento da Índia. No caso indiano, Juszkiewicz alega ser um problema tarifário, e não ambiental. Em qualquer caso, ele insiste, uma abordagem armada da polícia "não deveria ser a primeira resposta para um assunto de importação-exportação". Para o movimento Tea Party e para a deputada republicana Marsha Blackburn, a inspeção de agentes federais simboliza que tudo está errado hoje em dia em Washington. A presença de policiais armados na fábrica da Gibson esquentou ainda mais o debate. Para o ativista do Greenpeace, Scott Paul, "todos são inocentes até que se prove o contrário". Ele alerta, no entanto, que a indústria como um todo terá que oferecer respostas a uma série de perguntas. "Sempre houve uma pequena sensação de que uma porção significativa da madeira usada em instrumentos musicais vinha de fontes ou ilegais ou muito duvidosas", diz. Ao invés de ameaçar o futuro dos instrumentos musicais, o guitarrista veterano Laurence Juber diz acreditar que a polêmica fomente a discussão sobre uma indústria mais sustentável. "A madeira usada nas guitarras é crucial para o tom do instrumento", diz Juber, que já tocou com Paul McCartney. "Eu posso te mostrar a diferença no som entre uma madeira rosa da Índia e uma madeira rosa do Brasil." O fracasso na preservação das florestas pode levar a mudanças no jeito em que as guitarras são desenhadas e construídas, diz Juber. Não há garantia de que a experiência musical proporcionada pelas guitarras de hoje será preservada, diz. "Espero que eu possa ajudar a manter a indústria viva e que em 300 anos as pessoas ainda possam tocar suas guitarras e sentir prazer por isso", diz.
Foto: Getty Images; Guitarras Gibson usam madeira de de árvores em extinção
Fonte: Último Segundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.