quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Pesquisa vai verificar impacto da mudança do clima nas aves do Brasil

Caso a previsão de aumento do nível do mar em decorrência da mudança climática se confirmar, conforme o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) a população de aves que vivem nas regiões úmidas da costa do Brasil, principalmente as áreas de estuário, pode ser afetada, ocasionando, inclusive, a extinção de espécies. Um estudo realizado por pesquisadores do Paraná vai tentar identificar qual será o impacto desta transformação global no cotidiano de pássaros como o bate-bico (Phleocryptes melanopis) e a saracura (Pardirallus nigricans), que vivem em vegetações herbáceas de regiões estuarinas, ambiente de transição da água doce para a água salgada. A análise será feita na Área de Proteção Ambiental de Guaratuba, no município de mesmo nome, e no entorno da Lagoa do Parado. Segundo Bianca Reinec, doutora em Biologia e integrante do projeto “Vulnerabilidade de aves estuarinas à mudança climática”, que recebeu financiamento da Fundação Boticário, essas e outras aves que vivem nesses locais úmidos costumam fazer ninhos na vegetação. “Um pequeno aumento que seja do nível da água pode afetar a reprodução desses animais. Outro exemplo também previsto para a mudança do clima é o aumento da incidência de vendavais e tempestades que deverão atingir esses ambientes, destruindo ninhos e ovos”, disse a pesquisadora. Bianca afirma que o bicudinho-do-brejo (Stymphalornis acutirostris), ave endêmica do litoral do Paraná e de Santa Catarina, já foi afetado pelas alterações das marés, segundo especialistas. “A espécie foi descrita em 1995 e desde então houve diversas modificações no seu habitat devido às transformações do ambiente”, explica a bióloga. Um dos principais objetivos do estudo, que vai começar neste fim de semana, será um censo para identificar quantas espécies de pássaros vivem nestes locais, além de conhecer também quais e quantas são as aves migratórias que dependem deste ambiente para alimentação e reprodução. “A partir destes dados, vamos planejar formas de realizar futuramente o manejo de animais para outras localidades, etapa considerada a adaptação da mudança do clima. Não podemos evitar essas transformações, mas podemos trabalhar para criar ambientes artificiais para que as espécies continuem existindo”, disse Bianca. Também com o objetivo de avaliar o impacto da mudança do clima no litoral paranaense e a interferência do homem neste ambiente, outro estudo vai analisar uma região de 612 km², nas proximidades do porto de Paranaguá, com o intuito de coletar dados sobre a biodiversidade marinha e as transformações que ocorrem nos sedimentos costeiros. Coordenado por Marcelo Lamour, geólogo e coordenador do projeto BioMar, a ideia é definir áreas que necessitam ser preservadas pelo estado. "Com a passagem constante de grandes navios para o porto de Paranaguá, existe o processo de drenagem (retirada de sedimentos do fundo do mar para aumentar a profundidade oceânica e permitir a passagem de embarcações) que afeta a vida marinha. Queremos avaliar este impacto e verificar o que pode ser modificado nestas ações", complementou Lamour.

Foto: Vista da baía de Guaratuba (à esquerda), local de estuário que será pesquisado. À direita fotos das aves bate-bico (acima) e saracura (abaixo), que podem ter a população afetada devido à mudança do clima (Foto: Divulgação/Ricardo Belmonte Lopes)




 
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.