sábado, 17 de dezembro de 2011

Pimentão é o líder em contaminação por agrotóxicos


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou no dia 7 de dezembro, dados do “Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos”, uma lista que contém os nomes de frutas, grãos, verduras e legumes com maior nível de contaminação por agrotóxicos no Brasil. Das amostras de alimentos analisadas pela agência, referentes ao ano de 2010, 28% apresentaram limites acima do recomendável ou substâncias não aprovadas para o produto. De 18 alimentos examinados, o pimentão, o morango e o pepino lideraram o ranking dos mais contaminados. O caso mais grave é o do pimentão com 92% das amostras irregulares, contra 63% dos morangos, 57% do pepino, 54% da alface e quase 50% da cenoura. O tomate, que já esteve no topo do ranking, hoje tem contaminação de 16%. Na beterraba, abacaxi, couve e mamão foram observadas irregularidades em cerca de 30% das amostras analisadas. “São dados preocupantes, se considerarmos que a ingestão cotidiana desses agrotóxicos pode contribuir para o surgimento de doenças crônicas não transmissíveis, como a desregulação endócrina e o câncer.” - Agenor Álvares, diretor da Anvisa. O alimento que saiu ileso foi a batata, que obteve resultado satisfatório em 100% das amostras analisadas. Segundo Álvares, o problema de resíduos químicos em alimentos pode estar relacionado ao custo dos agrotóxicos. “Os pequenos produtores acabam comprando produtos baratos, mas inadequados para um determinado cultivo” explicou o diretor.
Como foi feita a pesquisa: O programa coletou as amostras em 25 estados do país e no Distrito Federal, apenas São Paulo não participou. Os 18 alimentos analisados foram: abacaxi, alface, arroz, batata, pepino, pimentão, repolho, beterraba, cebola, cenoura, couve, feijão, laranja, maçã, mamão, manga, morango e tomate. “Essas culturas são escolhidas de acordo com a importância do alimento na cesta básica dos brasileiros, no perfil de uso de agrotóxicos para aquela cultura e na distribuição da lavoura pelo território nacional”, explica Álvares. Após obtenção de todas as amostras, elas foram levadas para serem analisadas em diversos laboratórios como o do Instituto Octávio Magalhães, Laboratório Central do Paraná, Laboratório Central do Rio Grande do Sul e no Laboratório Central de Goiás. De acordo com o diretor da Anvisa, o método empregado para analisar a presença de 167 agrotóxicos foi utilizada por países como a Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Holanda e Austrália, a partir de tecnologia de ponta.
Cuidados que o consumidor deve tomar: O primeiro cuidado é saber a procedência dos produtos, optando sempre pelos que possuem origem identificada. Segundo a Anvisa a identificação irá aumentar o comprometimento dos produtores em relação à qualidade dos alimentos. Optar por orgânicos e sazonais também são procedimentos recomendados pela a agência para obter um produto livre de agrotóxicos. A lavagem correta dos alimentos e a retirada de cascas e folhas externas ajudam na redução dos resíduos de agrotóxicos presentes apenas nas superfícies. “Os supermercados também têm um papel fundamental nesse processo, no sentido de rastrear, identificar e só comprar produtos de fornecedores que efetivamente adotem boas práticas agrícolas na produção de alimentos”, afirma Álvares.
Foto: De 146 amostras de pimentão analisadas 92% mostraram irregularidade/Foto: Ana Sartelli
Fonte: EcoD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.