quinta-feira, 31 de março de 2011

Locais Estranhos na Terra: Cidade Encantada de Cuenca






-Localizado na Espanha; -Está a nordeste do planalto de Castela-a-Nova; -Além da Cordilheira de Cuenca, neste conjunto no Alto Vale do Júcar, cerca de 1.400 metros de altura, está a Cidade Encantada; -Este lugar possui paisagem rochosa com formas concavas e convexas; -Possui relevo do tipo cársico; -Seus pináculos chegam a altura de 1.500 metros; -A erosão da água, gelo e vento esculpiram este lugar; -Foi declarado como Sítio Natural de Interesse Nacional em 1929.


Fonte: Maravilha Natural do Mundo, Seleções do Reader's Digest; br.olhares.com; travel.webshots.com.


Maria Celia Amorim

Projeto-piloto da ONU tenta salvar peixe-boi de extinção


O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) lançou um projeto-piloto para a preservação do peixe-boi. Os animais estão sob risco de extinção nos próximos 40 anos por causa da caça direta e da pesca feita por engano. A iniciativa lançada em março, na República de Palau (Oeste da Oceania), é uma das várias medidas tomadas pela Convenção sobre Conservação de Espécies Migratórias e Animais Silvestres (CMS) junto a organizações do Pacífico Sul. O peixe-boi tem um papel ecológico importante no funcionamento dos habitats costeiros. Ele ajuda a proteger outras espécies como tartarugas marinhas, baleias, golfinhos e tubarões. O projeto, promovido pelo Ano do Peixe-Boi no Pacífico 2011, pretende ensinar mudanças de comportamento em comunidades locais por meio de programas de empréstimos e pagamentos nos serviços de ecossistemas. No passado, velejadores imaginavam que o mamífero "era uma sereia". Também conhecido como vaca-marinha ou dugongo, o único mamífero marinho herbívoro vive em águas mornas dos litorais e em ilhas do Leste da África até Vanuatu, no Pacífico. A maioria das populações de peixe-boi está na costa da Austrália e nos Emirados Árabes Unidos. Dois outros projetos-pilotos estão sendo realizados na Ilha de Bazaruto, no Sul de Moçambique, e na Papua Nova Guiné. Foto: LeRoc; Peixe-boi ajuda no funcionamento dos habitats costeiros.


Fonte: EcoD

Vietnã tenta salvar tartaruga


Centenas de vietnamitas se aglomeraram na capital Hanói para acompanhar a operação de captura de uma rara tartaruga gigante que vive no lago da cidade. O animal de cerca de 1,8m de comprimento e 200 kg estaria muito debilitado e precisaria urgentemente de socorro. No entanto, não foi possível resgatá-lo. Nem com a rede foi possível capturar a rara tartaruga gigante. Especialistas acreditam que existam apenas outros quatro indivíduos da espécie Rafeteus swinhoei vivos em todo mundo. Muitos vietnamitas consideram a tartaruga sagrada e, embora especialistas calculem que ela tenha entre 80 e cem anos, a crença popular é de que o animal tenha mais de 300 anos de idade. Reza a lenda que uma tartaruga do lago Hoan Kiem deu a espada usada pelo rei do Vietnã para derrotar invasores chineses há cerca de seis séculos. Funcionários do governo realizaram uma limpeza do lago, retirando lixo e jogando água limpa, já que a poluição poderia ser a causa da doença do animal. Foto: BBC


Fonte: G1; Último Segundo.

ALBINOS


COELHO

quarta-feira, 30 de março de 2011

Praia Brasileira com Maior Número de Ataques de Tubarões: Boa Viagem







-É a praia urbana mais perigosa do Brasil;-Localizada em Recife, capital do Pernambuco, região nordeste brasileira;-Possui 7 Km de extensão, aproximadamente;-Está localizada entre a praia de Pina e da Piedade;-A maior parte desta praia é protegida por uma barreira de recifes naturais, daí o nome da cidade: Recife;-Na maré baixa são formadas várias piscinas naturais ao longo da praia e também é possível andar pelos recifes, mas quando a maré sobe eles são cobertos pela água do mar; -Os ataques de tubarões são constantes nesta praia; -Não é recomendado o banho de mar além dos recifes, para serem evitados os ataques de tubarões, além do surf ser proibido também;-Várias espécies de tubarões são encontradas nestas águas, como o tubarão de Cabeça Chata e o Tigre, por exemplo.

Fontes: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; feriasbrasil.com.br; brasilmergulho.com.br; viagemdeferias.com.


Maria Celia Amorim

Aquífero na Amazônia pode abastecer a população mundial em até 100 vezes


Enquanto boa parte do mundo já encontra-se em estado de alerta em razão da falta de água potável, como é o caso da África Subsaariana e alguns países asiáticos, uma reserva subterrânea situada em plena Amazônia pode ser a maior do planeta, graças a um volume de 86 mil quilômetros cúbicos de água doce, o equivalente para abastecer a população mundial (atualmente estimada em sete bilhões) em até 100 vezes. A reserva em questão é o Aquífero Alter do Chão, que foi alvo de um estudo desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA), cuja publicação foi feita em abril de 2010. Localizado sob os estados do Amazonas, Pará e Amapá, o aquífero tem quase o dobro do volume de água potável que o Aquífero Guarani (com 45 mil km³ de volume), até então considerado o maior do país e que também passa pela Argentina, Paraguai e Uruguai. "Os estudos que temos são preliminares, mas há indicativos suficientes para dizer que se trata do maior aquífero do mundo, já que está sob a maior bacia hidrográfica do mundo, que é a do Amazonas/Solimões. O que nos resta agora é convencer toda a cadeia científica do que estamos falando", afirmou ao portal G1 Milton Matta, geólogo da UFPA. O especialista adiantou que o Aquífero Alter do Chão deverá ter o nome mudado por ser homônimo de um dos principais pontos turísticos do Pará, o que costuma provocar enganos sobre a localização da reserva de água. Uma das sugestões é Aquífero Grande Amazônia, em razão de uma "visibilidade comercial mais interessante". Matta tenta concluir a segunda etapa do estudo junto ao patrocínio do Banco Mundial e outros apoiadores científicos. Ele também destacou a qualidade da água que pode ser explorada no Alter do Chão. "A região amazônica é menos habitada e por isso menos poluente. No Guarani, há um problema sério de flúor, metais pesados e inseticidas usados na agricultura. A formação rochosa é diferente e filtra menos a água da superfície. No Alter do Chão as rochas são mais arenosas, o que permite uma filtragem da recarga de água na reserva subterrânea", comparou Oliveira. Além do Guarani, que abrange os estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, estendendo-se à Argentina, ao Paraguai e ao Uruguai, e do Alter do Chão, o Brasil também possui outros aquíferos importantes, como é o caso do Urucuia (Bahia), Serra Grande (Piauí) e Cabeças (Maranhão).

Fonte: EcoD

Beleza não é tudo



Os javalis não são exatamente os animais mais bonitos da natureza. Estes porcos selvagens têm a cabeça coberta de “verrugas” que servem como proteção. Os pelos são esparsos e uma espessa juba sobressai nas costas. Eles pastam ervas e plantas e também usam seus focinhos para buscar raízes cobertas pela terra. Quando assustados ou ameaçados, javalis podem ser extremamente rápidos, com velocidade de até 48 km/h. Apesar do olhar feroz, javalis são animais que preferem fugir ao invés de lutar.

Foto: Beverly Joubert / National Geographic Image Sales

Fonte: Último Segundo

ALBINOS

ARANHA

terça-feira, 29 de março de 2011

Lagos: Lago Naivasha






-Localizado no Quênia, a noroeste de Nairobi, África; -Possui 170Km² de extensão; -Com superfície de 139Km²; -Sua profundidade média é de 6 metros; -Está a 1.884 metros acima do nível do mar; -É cercado por pântanos que cobrem uma área de 64Km², mas podendo variar conforme o volume das chuvas; -No Vale do Rift; -É um lago de água doce; -Está rodeado por colinas e vulcões inativos; -Suas águas são usadas por nativos para a agricultura; -É um lago habitado por mais de 450 espécies de aves; -Muito procurado por uma grande variedade de mamíferos.

Fontes: turismokenia.com; travel.webshots.com.

Maria Celia Amorim

Descobertas duas espécies de arraias na Amazônia equatoriana



Os pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, descobriram duas novas espécies de arraias na amazônia equatoriana. Os animais são tão distintos de outros já conhecidos que foram agrupados em novo gênero, nível de classificação mais abrangente que a espécie. Pertencentes ao novo gênero Heliotrygon, as espécies de arraia Heliotrygon gomesi e Heliotrygon rosai apresentaram características particulares, como a proporção única do disco corporal, com formato convexo na região do focinho. As espécies também se diferenciam pelo tamanho reduzido da cauda e por suas cores. Enquanto a Heliotrygon gomesi tem o corpo acinzentado e o dorso marrom, a Heliotrygon rosai tem o dorso marrom e a barriga branca. Segundo os pesquisadores, essas espécies "incomuns" de arraias evidenciam o pouco conhecimento científico sobre a família a que pertencem. Geralmente, cada espécie de arraia de rio é nativa de uma única bacia hidrográfica. A Amazônia tem elevada biodiversidade do animal.

Foto 1: Imagem de raio-X da arraia Heliotrygon gomesi. (Foto: UTSC/ Divulgação)

Foto 2: Heliotrygon rosai tem o dorso marrom. (Foto: UTSC/ Divulgação)

Fonte: G1

ALBINOS

GARIAL

Cientistas descobrem novo refúgio de baleias jubarte


Pelo estudo de chamadas de baleias, cientistas descobriram que milhares de baleias jubarte podem estar passando o inverno e se reproduzindo nas remotas ilhas no noroeste do Havaí. Embora as principais ilhas havaianas sejam as mais importantes áreas de procriação para as jubarte do Pacífico Norte, servindo como lar para mais de 8.000 baleias de dezembro a maio, não se sabia que elas também se reproduziam mais longe, na região leste do arquipélago. A pesquisa está em uma edição recente do periódico “Marine Ecology Progress Series”. “Não temos certeza sobre os números exatos, mas a abundância de sons de baleias jubarte que gravamos é essencialmente idêntica à que obtemos normalmente nas principais ilhas havaianas e sugere que os números não são totalmente desproporcionais”, afirmou Marc Lammers, biólogo marinho no Hawaii Institute of Marine Biology e principal autor do estudo. Ele e seus colegas mergulharam nas águas da região para colocar gravadores acústicos que detectam a ocorrência de sons de baleias, um indício de atividade de reprodução invernal. Ainda há algumas questões sem resposta, como onde as baleias passam o verão. Baleias que no inverno ficam ao redor das ilhas principais nadam para o norte para veranear e se alimentar no Alasca e é possível que as baleias recentemente detectadas também sigam para lá. Porém, em 2008, um grupo de jubartes desconhecido anteriormente foi descoberto veraneando nas Ilhas Aleutianas e no Mar de Bering. Uma vez que não se sabe onde elas passam o inverno, as baleias podem ser as mesmas recentemente encontradas nas ilhas do noroeste havaiano, afirmou Lammers. Para que isso seja determinado, os pesquisadores esperam continuar seu trabalho coletando identificações fotográficas de caudas de baleias e amostras para biópsia genética. As jubartes do Pacífico Norte também se reproduzem em Taiwan, Filipinas, Baixa Califórnia e nas costas no Pacífico do México, da Guatemala, de El Salvador, da Nicarágua e da Costa Rica, entre outros locais. Foto: Getty Images ; Cientistas captaram o som das baleias jubarte e descobriram que elas podem estar passando o inverno no noroeste do Havaí

Fonte: Último Segundo

segunda-feira, 28 de março de 2011

Locais Estranhos na Terra: Ben Bulben










-Localizado na Irlanda, na cidade de Sligo; -É uma montanha tabular que domina a paisagem da região;-Possui 526 metros de altura; -Foi formada durante a Era Glacial; -Situa-se na extremidade ocidental dos Montes de Dartry;-É formado por sedimentos carboníferos, da erosão do calcário e xisto de que é formado;-A face nordeste é marcada por profundas valas verticais, esparçadas regularmente;-É o cenário de muitas lendas celtas;-Também é dito que é a morada dos Fianna, um grupo de guerreiros que viveu no Terceiro Século; -É a montanha mais conhecida da Irlanda.


Fontes: Maravilhas Naturais do Mundo, Seleções do Reader's Digest; sligotown.net; lookaroundireland.com.

Maria Celia Amorim

Mudanças climáticas na Finlândia estão afetando coloração das corujas no país


Cientistas da Universidade de Helsinki fizeram uma pesquisa sobre as corujas que vivem na Finlândia e notaram que muitas delas estão mudando de cor. Segundo os pesquisadores, invernos mais quentes registrados nos últimos anos é a principal causa dessa evolução. As corujas-do- mato, corujas que podem ser tanto marrons quanto cinzas, estão mudando de cor devido às alterações climáticas no globo. As corujas marrons estão mais adaptadas ao inverno do que as corujas cinza com penas. Isso se deve ao fato dos invernos finlandeses não estarem mais tão rigorosos. As corujas cinza com penas eram mais resistentes ao inverno porque elas se camuflavam entre a vegetação cinzenta que permanecia na região durante esta época, fugindo dos predadores. Agora, como os invernos estão mais brandos, as corujas marrons estão ganhando mais espaço no ambiente europeu. A equipe de pesquisadores de Helsinki, que estudaram durante 30 anos a população das corujas naquela região, afirmaram que a plumagem cinza da maioria delas era uma característica genética e hereditária que faziam das corujas-do-mato cinza mais resistentes e saudáveis. Porém, para o coordenador da pesquisa, Dr. Patrik Karell, a mudança da coloração desses pássaros é a primeira grande mostra que as mudanças climáticas estão afetando o reino animal, alterando inclusive o código genético das corujas. Foto1:Coruja-do-mato/Foto: John Morris Foto 2:Corujas cinzas estão desaparecendo/Foto: Steve

Fonte: EcoD

Cardume de sardinhas 'cria' imagem que lembra forma de baleia















Um cardume de sardinhas foi fotografado no dia 11 último, em Acapulco, no México, em uma imagem que lembrava a forma de uma baleia. Foto: Pedro Pardo/AFP


Fonte: G1

ALBINOS


PATO

domingo, 27 de março de 2011

Árvore de Madeira Resistente: Peroba


-É nativa da Mata Atlântica;
-Também conhecida como parova, perobeira, perova, peroveira entre outros nomes;
-Aspidosperma sp;
-Encontrada da Bahia ao Rio Grande do Sul, incluindo Goiás, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais;
-Sua madeira é de boa qualidade, pesada e muito resistente;
-É muito usada na construção civil e na fabricação de móveis;
-Alcança de 20 a 30 metros de altura;
-Seu tronco chega a ter de 60 a 90 centímetros de diâmetro;
-São conhecidas as perobas amarela, branca, amarga, brava, café, comum, do campo, do cerrado, manchada, miúda e rosa;
-Seu fruto é uma vagem cilíndrica, de casca muito dura que se abre em duas partes quando está madura;
-Suas sementes possuem 3 centímetros, são aladas com uma membrana transparente e de cor amarelado;
-É uma árvore pouco copada e muito esguia.

Fontes: Grande Enciclopédia Larousse Cultural, Nova Cultural; ecologiaonline.com; portalsaofrancisco.com.br.

Maria Celia Amorim

Estudo adverte que avanços contra tuberculose estão ameaçados


As novas cepas da bactéria da tuberculose, Mycobacterium tuberculosis, são cada vez mais resistentes aos remédios para curar a doença, o que ameaça os avanços realizados nas últimas décadas, segundo um relatório publicado nesta quinta-feira pela revista The Lancet. O relatório, divulgado no dia 24 de março, ressalta o impacto causado por outros fatores de risco, como tabagismo e diabetes, no aumento da incidência da doença no mundo todo. A tuberculose mata, anualmente, 1,7 milhão de pessoas e o número atual de doentes (cerca de 9 milhões) é o mais alto registrado na história, segundo o trabalho coordenado pelos professores Alimuddin Zumla, do University College de Londres, e Stephen Lawn, da Universidade da Cidade do Cabo (África do Sul). Um total de 80% dos casos ocorre em 22 países pobres e emergentes, com especial incidência na África Subsaariana, onde são registrados quatro de cada cinco casos de tuberculose associados ao vírus da aids, uma combinação com "efeito devastador". "O aumento das taxas de tuberculose resistente aos remédios no leste da Europa, Ásia e África Subsaariana ameaça prejudicar os avanços realizados mundialmente com os programas de controle da tuberculose", afirmaram os autores. O relatório assinala que os principais fatores de risco para contrair e desenvolver plenamente a doença são o vírus da aids - que multiplica por 20 a probabilidade de ter tuberculose -, viver em situação de pobreza e superpopulação. No entanto, outros elementos preocupam os especialistas, como "a epidemia global de diabetes e as altas taxas de consumo de tabaco em países pobres e emergentes". "Estes são os elementos que podem fazer a epidemia de tuberculose disparar", indicaram Zumla e Lawn, que asseguraram que a diabetes multiplica por três o risco de adquirir tuberculose e que o tabagismo multiplica por dois. Há, além disso, outros muitos fatores de risco: câncer, carência de vitamina D, alcoolismo, poluição em espaços fechados, problemas renais crônicos, herança genética, e uso de corticoides e de remédios antagonistas do fator de necrose tumoral (FNT), para tratar dores como a artrite reumatoide. Estudos na América do Norte demonstraram que os FNT aumentam em 50% o risco de desenvolver a doença em pacientes infectados e que os corticoides aumentam em 100%. O estudo conclui que os principais problemas a serem superados são a falta de exames acessíveis de diagnóstico, a excessiva duração dos tratamentos, a falta de uma vacina eficaz, o surgimento de cepas resistentes aos remédios e a fragilidade dos sistemas públicos de saúde nos países pobres e em desenvolvimento. Apesar disso, afirma que "há razões para o otimismo", porque este é um momento de excelência nas pesquisas para a prevenção, diagnóstico e tratamento da doença. Mas este impulso não servirá de nada, advertem, "se não houver um grande compromisso político e financeiro para garantir que possam ser cumpridos os objetivos do Plano Global da Organização Mundial da Saúde (OMS) 'STOP TB' para o período 2006-15".
Foto: Bactéria que provoca a tuberculose: Mycobacterium tuberculosis

Fonte: estadao.com.br

Mostra ilustra a percepção de sujeira ao longo dos séculos


Uma mostra inaugurada em Londres expõe diferentes formas como a sujeira foi vista por diferentes culturas ao longo de vários séculos. A exposição Dirt: the Filthy Reality of Everyday Life, que poderia ser traduzido como ''Sujeira: a Imunda Realidade da Vida Cotidiana'', em cartaz na Wellcome Gallery, usa ilustrações, pinturas, fotografias, peças científicas e mapas que mostram a aversão e fascinação exercida pela imundície. Há desde um urinol usado pelos romanos até uma instalação de um artista contemporâneo na qual ele cria um ''tapete de sujeira''. A exposição destaca ainda como a noção de limpeza foi utilizada para justificar o preconceito racial, desde em imagens dos primórdios da publicidade até por cientistas alemães cooptados pelos nazistas. Chamam atenção ainda ilustrações e fotos destacando as condições esquálidas de vida na Inglaterra vitoriana, como uma vestimenta especial criada para evitar o contágio do cólera.

Fonte: estadao.com.br

ALBINOS

NAJA

Apenas uma linha



Na imagem, a nave russa Soyuz (direita) acoplada à Estação Espacial Internacional (ISS0) e ao fundo, uma linha fina da atmosfera da Terra cercada pela escuridão do espaço. A imagem foi captada pela tripulação do ônibus espacial Discovery.
Foto: NASA


Fonte: Último Segundo

sábado, 26 de março de 2011

Capital Brasileira do Eucalipto: Itamarandiba


-É uma cidade do Alto Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, região sudeste do Brasil;
-Fundada em 1675;
-Está a 406 Km de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais;
-Está a 910 metros acima do nível do mar;
-Possui 2.745 Km² de área;
-Seu clima é o tropical de altitude;
-Itamarandiba em Tupi Guarani significa”Pedra Miúda que rola junto com as outras”;
-Sua vegetação é a de cerrado e de mata atlântica;
-Neste município o plantio de eucalipto teve início na década de 1970;
-Itamarandiba é um dos principais produtores de mudas de eucalipto do Brasil, com produção superior a 30 milhões de mudas por ano.

Fontes: itamarandiba.mg.gov.br; diariodojequi.com.br; achetudioeregiao.com.br.

Maria Celia Amorim