segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A cada ano, cerca de 200 milhões de pessoas usam drogas ilícitas no mundo


Um novo estudo da revista médica britânica 'The Lancet' aponta que o grande número de doenças no planeta está ligado ao uso de drogas ilícitas. Fundamentada na estimativa de que cerca de 200 milhões de pessoas utilizam substâncias proibidas todo ano, a pesquisa aponta que existe um usuário de drogas a cada 20 pessoas com idades entre 15 e 64 anos. E que o uso é maior nos países desenvolvidos, em que as pessoas têm renda mais alta. Realizado pela equipe da professora Louisa Degenhardt, do Centro de Pesquisa Nacional de Drogas e Álcool, da Universidade de New South Wales, em Sydney, na Austrália, e do professor Wayne Hall, do Centro de Pesquisa Clínica da Universidade de Queensland, em Brisbane, o estudo mostra que a ilegalidade das substâncias derivadas do ópio (opióides), as anfetaminas, a cocaína e a cannabis (maconha) impedem que se chegue ao número exato de usuários. Além disso, também não é possível especificar quantas dessas pessoas têm problemas com as drogas, incluindo aqui os dependentes. Os estudiosos ainda apontam que, devido às limitações dos dados sobre a extensão do uso e a natureza dos danos relacionados, não há como fazer estimativas de drogas como o ecstasy, as alucinógenas, os inalantes, as substâncias benzodiazepínicas, como o Valium, e os anabolizantes esteroides. De acordo com relatórios sobre Drogas e Crime, feitos pelas Nações Unidas, o consumo de cannabis parece ser maior na Oceania (Austrália e Nova Zelândia) em que cerca de 15% das pessoas, entre 15 e 64 anos, são usuários da droga. Já o uso de opióides, incluindo a heroína, é maior no Oriente Médio (até 1,4%). No caso das anfetaminas, a Oceania também aparece no topo do ranking, com até 2,8% dessa faixa etária fazendo uso de drogas como a metanfetamina cristal - mas aqui sem incluir o ecstasy. A cocaína é a substância mais consumida na América do Norte, com 1,9%. Apesar dos números, os pesquisadores destacam que nenhum método estimativo é ideal para avaliar todas as drogas ou todos os países. Existem quatro grandes tipos de efeitos adversos à saúde do uso de drogas ilícitas: efeitos tóxicos agudos, incluindo overdose; efeitos agudos de intoxicação, tais como lesões acidentais e violência; desenvolvimento de dependência e efeitos adversos de uso sustentado, tais como doenças físicas. De acordo com o estudo, a maconha é responsável por poucas mortes, sendo que as que ocorrem geralmente são acidentais. No entanto, a droga provoca dependência e contribui para o surgimento de transtornos mentais. Já os opióides ocasionam quatro tipos de efeitos: oferecem maior risco de dependência, talvez afetando 1 em cada 4 usuários, e são os principais contribuintes para a morte prematura devido a overdoses, muitas vezes em combinação com outras drogas, bem como acidentes, suicídios e violência, além do desenvolvimento de aids e hepatite. Eles também são responsáveis por dependência, infecções crônicas e doenças do fígado.Segundo os pesquisadores, não há como conseguir respostas inteligentes para os problemas das drogas sem dados concretos e mais precisos. "Esta necessidade é especialmente urgente em países de alta renda, com taxas substanciais de uso de drogas ilícitas, e em países de baixa e média renda, que estão perto de áreas de produção de drogas ilícitas", dizem.
Fonte: estadao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.