quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Estudo com camundongos mostra como som pode despertar medo


Pesquisadores de um instituto suíço identificaram como camundongos podem sofrer a sensação de medo após ouvirem certos tipos de sons. O estudo foi divulgado na edição desta semana da revista científica "Nature". Ao tentar entender o que o corpo faz ao processar sensações recebidas do exterior, a equipe do cientista Andreas Lüthi descreveu um sistema de circuitos neurais que é responsável pelo aprendizado do medo. As sensações de medo e ansiedade são desenvolvidas em uma região no cérebro conhecida como amígdala - que não deve ser confundida com as estruturas de mesmo nome localizadas no fundo da garganta. Alterações nesta área podem levar a distúrbios de ansiedade, condições que são observadas em 10% de todos os adultos no mundo. Segundo os cientistas, umas das causas possíveis para tantos casos de ansiedade seria o fato das pessoas encararem certas situações ou objetos como se fossem mais perigosos do que realmente são. Mas as sensações humanas não existiriam se uma outra região do cérebro - o córtex - não interpretasse os sinais enviados pela natureza: cheiros, imagens, ruídos, gostos e texturas. Normalmente, o córtex é mais lembrado por ser o local no cérebro responsável pela percepção e pela capacidade de aprendizado. Mas agora os cientistas começam a estudar a área com a atenção voltada para os sentimentos que são despertados em uma pessoa. Uma dessas áreas é exatamente o sistema de circuitos neurais descoberto por Lüthi, que é professor na Universidade da Basileia. Durante o trabalho no Instituto Friedrich Miescher de Pesquisa Biomédica, o especialista fez camundongos se sentirem incomodados toda vez que determinado som era emitido. Enquanto "aprendiam" a ter medo, os animais tinham seus neurônios monitorados pelos pesquisadores. Os cientistas descobriram que cada som "desagradável" que os camundongos escutavam despertava uma redução na atividade de inibição das sinapses - regiões usadas por um neurônio para se comunicar com o outro. Essa diminuição seria indispensável ao aprendizado do medo, segundo Lüthi.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.