sábado, 7 de janeiro de 2012

Expedição encontra na Antártida novas espécies no fundo do mar

Um grupo de cientistas britânicos encontrou comunidades de espécies desconhecidas no fundo do mar próximo à Antártida, no ambiente escuro e quente que cerca as fontes hidrotermais, segundo um estudo divulgado pela publicação científica PLoS Biology. Uma estrela-do-mar com sete pontas, um polvo pálido e um novo tipo de caranguejo yeti foram vistos pela primeira vez em 2010 e descritos graças à ajuda de um veículo robótico que explorou a cordilheira submarina East Ridge Scotia, no fundo do Oceano Atlântico Sul, entre a Antártida e o extremo da América do Sul. A descoberta feita por especialistas das Universidades de Oxford e Southampton além de integrantes do Serviço Antártico Britânico (BAS), permitiu visualizar ainda novas espécies de perceves (um tipo de crustáceo), estrelas-do-mar, polvos e anêmonas. Nessa região, as fontes hidrotermais (com temperaturas que chegam a até 383 ºC) encontram ambiente único que não recebe a luz solar, mas que é rico em certos componentes químicos. De acordo com o professor Alex Rogers, do Departamento de Zoologia da Universidade de Oxford, "as fontes hidrotermais são lar de animais que não são encontrados em nenhuma outra parte do planeta e que obtêm sua energia não do sol, mas de substâncias químicas como o sulfeto de hidrogênio". As imagens mostraram colônias enormes de uma nova espécie de caranguejo yeti, agrupadas ao redor de condutos de ventilação. A câmera também captou uma nova espécie predadora de estrela-do-mar com sete braços, que se arrasta pelos campos de perceves, além de um polvo de cor pálida não identificado, a quase 2,4 mil metros de profundidade. "O que não encontramos é quase tão surpreendente como o que encontramos", observou Rogers, que acrescentou que "muitos animais como os vermes, mexilhões, caranguejos e camarões, descobertos em fontes hidrotermais nos Oceanos Pacífico, Atlântico e Índico simplesmente não foram encontrados ali". Os cientistas consideraram que as diferenças entre os grupos de animais descobertos ao redor das fontes da Antártida e aqueles que estavam em outros lugares indicam que o Oceano Antártico pode agir como uma barreira para alguns deles. Para a pesquisa, os cientistas empregaram pela primeira vez um veículo dirigido com controle remoto para explorar o East Scotie Ridge, nas profundezas do oceano Antártico.

Foto 1: Imagem capturada a 2,4 mil metros de profundidade do Oceano Atlântico Sul mostra nova espécie de polvo (Foto: Divulgação/Natural Environment Research Council ChEsSo)

Foto 2: Estrela-do-mar encontrada nas profundezas do Mar Antártico tem sete pontas (Foto: Divulgação/Natural Environment Research Council ChEsSo)

Foto 3: Espécie de caranguejo yeti (ponto branco) foi detectado por veículo robótico que vasculhou as profundezas do Oceano Atlântico Sul (Foto: Divulgação/Natural Environment Research Council ChEsSo)





Fontes: G1; estadao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.