domingo, 5 de fevereiro de 2012

Proliferação de cobras nos EUA afeta população de mamíferos

Levantamento realizado por pesquisadores americanos afirma que a invasão de cobras píton-birmanesas ('Python molurus bivittatus') no sul da Flórida tem contribuído para o desaparecimento de pequenos mamíferos na região, antes detectados com maior frequência em estudos feitos nas estradas que cortam o Parque Nacional Everglades. Pítons, ou grandes serpentes constritoras que podem chegar a quase 6 metros de comprimento, originalmente mantidas como bichos de estimação, são considerados uma espécie invasora, ou seja, não nativa da região. A pesquisa publicada na revista científica da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, a “PNAS”, analisou uma área de 56,9 mil km de rodovias entre 2003 e 2011 e comparou com dados anteriores a este período. As informações apontaram uma redução de 99,3% na frequência de observação do guaxinim, além de queda no número de visualizações do gambá e do lince-pardo. Os dados revelaram ainda que estas espécies de mamíferos são mais comuns em áreas onde as pítons foram descobertas recentemente, sendo que são mais abundantes fora da faixa onde estão essas cobras, cuja espécie é proveniente da Ásia.
Proliferação: O declínio de mamíferos é menor nas áreas onde os pítons só foram introduzidos recentemente, notaram os cientistas. Não há estatísticas precisas de quantos pítons existem nos pântanos de Everglades, um parque nacional que já é um quarto do seu tamanho original, tanto foi a área secada ao longo dos anos para uso humano. Em 2009, o número de pítons chegou a quase 400, e a falta de predadores naturais destas serpentes tem feito o número se multiplicar. 'Em qualquer população de serpentes, o que se vê é apenas uma fração de quantas elas são', disse Michael Dorcas. 'Em Everglades, os pítons são um predador novo - que não devia existir aí. Já documentamos pítons comendo crocodilos, e crocodilos comendo pítons. Depende de quem for maior no encontro.' Para Dorcas, 'não é descabido assumir que um grande declínio em mamíferos, como esse, seja sempre acompanhado de impactos ambientais'. 'Exatamente quais serão estes impactos, não sabemos. Mas é possível que sejam profundos.'
Efeito na biodiversidade: O artigo científico diz que ainda não é possível saber quais serão os efeitos do declínio de mamíferos sobre o ecossistema, mas trabalha com a hipótese de alterações na cadeia alimentar. Os resultados sugerem que as grandes serpentes, que atuam como predadores, podem exercer pressão na alimentação das populações vertebradas. Recentemente, o governo dos Estados Unidos proibiu a importação de quatro espécies diferentes de cobra, entre elas a píton-da-Birmânia. A lei proíbe formalmente a importação e o transporte entre estados desta espécie, além da píton-do-norte-da-áfrica, da píton-do-sul-da-áfrica e da anaconda-amarela. Segundo o Serviço de Pesca e Vida Selvagem (FWS), a nova norma entra em vigor dentro de dois meses. O FWS disse ainda que os milhões de dólares já gastos pelos EUA no pântano Everglades são “uma quantidade muito menor que a necessária para combater seu desaparecimento”. O país ainda considera enquadrar outras cinco espécies de cobra na proibição.
Foto:Píton-da-birmânia capturada na Flórida em 2005 (Foto: AFP Photo/Robert Sullivan)
Fontes: G1; MSNVERDE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.