terça-feira, 13 de março de 2012

Cientistas criam mapa neural dos cogumelos alucinógenos


Exames de imagem realizados em pessoas sob o efeito da psilocibina, a substância responsável pelo efeito de cogumelos alucinógenos, mostram como drogas psicodélicas atuam no cérebro humano. O estudo foi conduzido por uma equipe do Imperial College de Londres e divulgado na revista da Academia Americana de Ciências. Um primeiro trabalho feito pelos cientistas ingleses contou com a participação de 30 pessoas. Elas receberam uma solução com psilocibina injetada na veia. Com a ajuda de um aparelho de ressonância magnética, os cérebros dos voluntários foram monitorados. Os pesquisadores verificaram que a atividade cerebral diminuiu em regiões do cérebro conhecidas em inglês como "hubs". Essas áreas se conectam com muitas outras regiões do cérebro e são tratadas como fundamentais para que as informações percorram o órgão rapidamente. Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir a redução nas atividades nos "hubs", já que as drogas alucinógenas são tidas como substâncias que teriam a capacidade de expandir a capacidade de raciocínio, de acordo com relatos de consumidores. O grupo ainda descobriu que as descrições feitas pelos participantes da pesquisa como a observação de formas geométricas, sensações corpóreas incomuns e a mudança no senso de tempo e espaço podem estar ligadas com a diminuição do fluxo de sangue e oxigênio para certas partes do cérebro. Coordenados pelo professor David Nutt, os cientistas ainda estudaram como uma diminuição no fluxo de sangue para o hipotálamo, parte do cérebro responsável pela regulação da fome e do gasto de energia, pode ser causada pela psilocibina e provocar alívio durante dores de cabeça. A substância presente nos chás de cogumelo também pode ter propriedades antidepressivas. Todos os participantes do estudo já haviam experimentado drogas alucinógenas antes e não apresentaram efeitos adversos, segundo os autores do estudo, que foi aprovado pelos órgãos regulatórios de saúde britânicos. Para a equipe de Nutt, a psilocibina pode aprimorar o bem-estar emocional e até reduzir os efeitos da depressão em humanos. Mas o grupo alerta para a possibilidade dos voluntários podem ter carregado opiniões referentes ao uso anterior que fizeram das substâncias alucinógenas. Um segundo estudo ainda será divulgado na Revista Britânica de Psiquiatria e irá explicar como psilocibina melhorou a capacidade dos voluntários em relembrar momentos da vida pessoal.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.