sexta-feira, 13 de julho de 2012

Tremor de magnitude 4,8 é registrado em arquipélago brasileiro

Um tremor de magnitude de 4,8, com epicentro a 30 km do arquipélago de São Pedro e São Paulo, na costa do Brasil, foi registrado no dia 9 de julho pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) e pelo Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O conjunto de ilhas fica a 1.100 km de distância de Natal (RN), no meio do Oceano Atlântico. De acordo com informações obtidas por um sismógrafo instalado em uma das ilhas, o tremor ocorreu por volta das 12h40 (horario de Brasília), a 30 km a leste do arquipélago brasileiro, considerado a última fronteira do Brasil. Segundo Joaquim Ferreira, foi o terremoto mais próximo das ilhas já registrado pelo equipamento. Quatro pesquisadores que estão na Estação Científica do arquipélago desde a última semana sentiram o impacto do fenômeno, mas não sofreram ferimentos. Segundo Olga Bojarczuk, a geladeira e o freezer instalados no interior da base balançaram fortemente, “como se alguém segurasse os eletrodomésticos e os balançasse para os lados”. Cynthia Lima, especialista em zooplâncton da Universidade Federal de Pernambuco, disse que estava do lado de fora da base científica quando o terremoto ocorreu. “Foi bem rápido, durou alguns segundos apenas”, disse.  
Local é campo de pesquisa: De acordo com geólogos, a área onde está o arquipélago de São Pedro e São Paulo é uma das que mais registram tremores no Brasil devido à sua localização, já que está sobre uma falha geológica, cercada por abismos marinhos, no encontro entre as placas tectônicas sul-americana e africana. Especialistas da UFRN estudam esse fenômeno com a ajuda de um sismógrafo, instalado na ilha em 2009, e afirmam que ao menos cinco tremores são sentidos anualmente na região, sendo que a maioria deles tem intensidade inferior a cinco graus de magnitude.
Lugar inóspito: Com uma área de 17 mil m² e apenas 18 metros de altitude, São Pedro e São Paulo é um território guardado pela Marinha do Brasil, que mantém funcionando no local – há 14 anos --uma estação científica habitada constantemente por pesquisadores de diversas universidades. Apenas uma ilha, a de Belmonte, é habitada e tem algum tipo de vegetação. O restante é ocupado por caranguejos e aves como o atobá-marrom (Sula leucogaster). O revezamento de pessoas ocorre graças ao trabalho do Programa Arquipélago de São Pedro e São Paulo (Proarquipelago), cuja manutenção é coordenada pela Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (Cirm), ligado ao governo federal. 
Foto: Imagem divulgada pelo laboratório da UFRN mostra epicentro do tremor (estrela amarela) ao lado da localização do Arquipélago de São Pedro e São Paulo. (Foto: Divulgação/UFRN)  
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.