sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Cientistas descobrem segredo do nascimento dos arco-íris gêmeos

Pesquisadores de universidades da Suíça, Espanha, Estados Unidos e Reino Unido usaram simulações de computador para descobrir os segredos por trás do fenômeno dos arco-íris gêmeos. Diferentemente dos arco-íris duplos, mais comuns, que consistem de dois feixes separados e concêntricos de luz, os arco-íris gêmeos ou geminados parecem surgir de uma mesma base e se dividem ao longo do caminho em dois feixes coloridos. Os cientistas já sabiam que a aparição dos arco-íris está ligada à interação da luz do sol com pequenas gotas d'água na atmosfera. No entanto, o fenômeno óptico geminado não havia sido explicado até agora, segundo Wojciech Jarosz, co-autor do estudo e pesquisador em Zurique, na Suíça. A chave para o mistério do arco-íris gêmeo, afirma Jarosz, é uma combinação de diferentes tamanhos de gotas d'água caindo do céu. Simulações prévias assumiam que os pingos são esféricos, o que serve para explicar a a formação dos arco-íris simples e duplos, "mas não os gêmeos", de acordo com o pesquisador. As gotas ficam achatadas quando caem devido à resistência do ar. No caso de gotas grandes, elas ficam com aspecto de hambúrguer e são chamadas de "burgueroides", segundo Jarosz. Quando acontece a convergência de chuva em duas localidades, os diferentes tipos de gotas, com vários tamanhos, se chocam e se combinam. Grupos de pingos d'água produzem arco-íris levemente deformados, que podem se unir para formar os arco-íris gêmeos, aponta o estudo. A equipe criou um programa de computador capaz de reproduzir as condições de formação dos arco-íris e os resultados das simulações bateram com os arco-íris geminados que haviam sido registrados em fotografias. Sem intenção: A descoberta não foi intencional. Inicialmente, o objetivo da pesquisa era ter mais informações sobre os arco-íris para a produção de desenhos animados e jogos. Os cientistas pensavam que os fênomenos dos arco-íris já haviam sido bem estudados, ressalta Jarosz, que é pesquisador no Instituto Disney em Zurique. Ao longo da pesquisa, o grupo descobriu que a ciência e os métodos atuais de simulação não poderiam explicar alguns tipos de arco-íris. O mistério realmente motivou a investigação, de acordo com Jarosz. O estudo vai ser apresentado na Conferência Internacional de Computação Gráfica e Técnicas Interativas de 2012, em Los Angeles, nos EUA (Siggraph).


Foto 1: Simulação de computador mostra um arco-íris gêmeo semelhante ao registrado na natureza (Foto: UC San Diego Jacobs School of Engineering/Divulgação)


Foto 2: Arco-íris duplo registrado no Rio de Janeiro (Foto: Katia Guimarães Gaete/VC no G1)


Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.