sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Descaso com os invertebrados podem levá-los à extinção

Desenterrar minhocas, admirar borboletas e coletar conchas de moluscos, tudo isso pode se tornar coisa do passado, se nada for feito para proteger os invertebrados. Um relatório publicado no final de agosto pela Sociedade Zoológica de Londres (ZSL), em conjunto com a IUCN, revelou que um quinto dos invertebrados do mundo pode estar ameaçado de extinção. E essa notícia pode não ser nada boa, já que esses bichos formam a base de muitos dos benefícios essenciais que a natureza oferece. Por exemplo, as minhocas reciclam nutrientes de resíduos, os recifes de coral suportam milhares de formas de vida e as abelhas ajudam na polinização. Invertebrados são engenheiros dos muitos benefícios que os seres humanos se aproveitam. Eles possibilitam um ambiente intacto e em pleno funcionamento. No entanto, a demanda humana por recursos está continuamente aumentando a pressão sobre as populações desses animais. Mais de 12 mil invertebrados da Lista Vermelha da IUCN foram analisados por cientistas de conservação. As espécies que estão sob maior risco estão na água doce, depois vêm os invertebrados terrestres e por último os marinhos. Os resultados deste grupo inicial de avaliações globais, regionais e nacionais fornecem informações importantes sobre o estado geral de invertebrados. Juntos, indicam que a situação de ameaça é provavelmente muito semelhante ao de vertebrados e plantas. "Invertebrados constituem quase 80% das espécies do mundo, e um total de cinco espécies podem estar em risco de extinção", explicou Dr. Ben Collen, chefe dos indicadores e unidades de avaliações da ZSL. "Enquanto o custo de salvá-los será caro, o custo da ignorância para a sua situação parece ser ainda maior". O maior risco de extinção está associado com espécies que são menos móveis e são encontradas apenas em pequenas áreas geográficas. Já as espécies de invertebrados que são mais móveis, como libélulas e borboletas, enfrentam uma ameaça semelhante ao das aves. Cerca de um décimo das espécies estão em risco. O problema é o tratamento dado aos invertebrados. O professor Jonathan Baillie, diretor de Conservação da ZSL, explica que é dada mais importância na extinção de um leão ou elefante do que de um molusco, por exemplo. "A ecologia de vertebrados e as suas ameaças são razoavelmente bem documentados, e muitas vezes há mais esforço para conservá-los, do que com relação aos invertebrados”, alertou.


Foto 1: Os invertebrados constituem quase 80% das espécies do mundo/Foto: sxc.hu


Foto 2: Moluscos como mexilhões sofrem com a poluição/Foto: sxc.hu  


Fonte: EcoD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela visita. Deixe sua crítica e sugestão para aperfeiçoarmos o blog. Abraços e Volte Sempre.